Solidariedade: Quando o ponto final de ônibus "reciclado" fica nas periferias

Conheça quatro lugares onde veículos, retirados de circulação, são usados para dar mais acesso das pessoas aos alimentos

Por O Dia

Rio - Embora o custo alto de toda vida útil, chega o dia em que o ônibus sai de circulação. Mas, para que não se torne uma simples sucata, há o desafio para que o veículo, antes tão presente no cotidiano da população, de transformar a carroceria. Em Toronto, no Canadá, um coletivo doado pela comissão de trânsito local, que administra o serviço na cidade, virou um mercado de distribuição de alimentos, com todo conforto e acessibilidade. A ideia surgiu para atender a uma demanda por preços mais acessíveis de regiões mais periféricas. A reforma do veículo, batizado de Mobile Good Food Market (nome em inglês para Mercado Móvel Boa Comida), foi feita pela instituição filantrópica Toronto Food Share.

Doado pela comissão de trânsito, ônibus foi reformado para projeto social Reprodução Internet

A facilidade da circulação de pessoas no interior, o que se torna um atrativo nos dias mais frios canadenses, torna uma vantagem do veículo adaptado. Segundo os criadores, a venda de frutas, vegetais e até pratos culturalmente típicos para cada parte do subúrbio são oferecidos a valores bem abaixo da média. O sucesso do mercado, inaugurado em 2012, foi tanto que a cidade de Ottawa também foi beneficiada com um veículo similar em agosto.

Nos Estados Unidos, um outro "Mobile Market", da ong Arcadia Food, já é referência em bairros mais carentes de Washigton. O programa, além de promover o acesso de alimentos, ainda inclui programas institucionais com visitas de escolas, onde é ensinado o valor nutricional e receitas com alimentos frescos. Enquanto na Filadélfia, um outro ônibus customizado, o GreensGrow Farms Mobile Market (Mercado Móvel da Fazenda Greensgrow), também é oportunidade de adquirir comida saudável por preços razoáveis.



Últimas de _legado_O Dia no Coletivo