Fernando Molica: A máscara que esconde a culpa

Como fanáticos religiosos, chegam ao ponto de culpar a vítima pelas agressões que ela sofreu

Por O Dia

Rio - Os ideólogos do fascismo e suas variantes eram bons marqueteiros. Sacaram que, ao contrário do que pregavam socialistas, era meio complicado apostar num novo homem, mais solidário, justo, disposto a dividir riquezas e conhecimento. Criaram então um sistema político-ideológico que ressalta o que o ser humano tem de pior: egoísmo, preconceito, irracionalidade, intolerância. Um sistema que não admite discussões, que incinera livros, que só reconhece uma verdade. Diante de algum problema há sempre uma solução pronta, basta atribuir a culpa ao outro, há sempre um outro à disposição.

O que define um comportamento fascista não é, necessariamente, uma opção política à esquerda ou à direita, mas a fé numa verdade absoluta, a arrogância, a negativa do contraditório, o uso frequente e ritual da violência e da intimidação. As torcidas organizadas são um bom exemplo disso. A lógica simplista, baseada numa interpretação canhestra de fatos históricos, ajudou a arregimentar apoio para Hitler e seu nazismo. A culpa era dos judeus, dos socialistas, dos comunistas, dos gays, dos ciganos, dos negros, todos apresentados como não puros e exemplos de degradação. Deu no que deu, a humanidade até hoje se pergunta como permitiu o holocausto.

Manifestantes que, por aqui, promovem atos violentos rejeitam ser chamados de fascistas. Consideram-se iluminados, democratas, donos da verdade. Uma verdade frágil, incapaz de resistir ao confronto de ideias, que precisa ser imposta pela força, pela intimidação. Para preservá-la, mascarados imitam a polícia ao hostilizar e agredir jornalistas. Isto, para evitar qualquer versão que lhes seja desagradável: não aceitam ser chamados de violentos nem quando promovem depredações. Só permitem uma única versão dos fatos, a que narram e controlam. Usam o pretexto do monopólio midiático para exercitar não o pluralismo, mas um outro monopólio da fala. Como fanáticos religiosos que não admitem outra fé que não a sua, chegam ao ponto de culpar a vítima pelas agressões que ela sofreu — o espancamento seria como uma penitência, um auto-de-fé como os da Inquisição. Egocêntricos, autocentrados, míopes, conseguiram a façanha de esvaziar as grandes manifestações populares. Agarrados em suas certezas, insistem em negar o fascismo que salta do espelho e tratam de jogar a culpa no outro, qualquer outro, pelos próprios desatinos.

Fernando Molica é jornalista e escritor
E-mail: fernando.molica@odia.com.br


Últimas de _legado_Opinião