Por bferreira

Rio - No Brasil, por ano, morrem mais de 40 mil pessoas vítimas de acidentes de trânsito — cerca de 600 óbitos em cada milhão de veículos, como O DIA revelou em recente reportagem — e todos os esforços para reduzir essa tragédia nacional, seja através de campanhas educativas, seja por repressão com blitzes, como as da Lei Seca, e mais rigor na legislação são muito bem-vindas. É mais um passo dado nessa direção a aprovação, por comissão do Senado, de proposta que torna mais duras as punições para seis crimes graves nas estradas.

Na lista das imprudências a serem combatidas está a imbecil corrida de carros por vias públicas nas cidades, promovida por covardes ao volante, os chamados ‘pegas’ ou ‘rachas’. Uma irresponsabilidade que põe em risco não somente a vida de quem está na direção, mas também a de terceiros que se prestam a fazer plateia a essa estupidez ou mesmo de inocentes ao passar, sem saber, pelos locais das disputas.

O texto pune os infratores onde os brasileiros costumam ser mais sensíveis: no bolso. A proposta aumenta em até dez vezes o valor das multas para esses crimes — que incluem ainda dirigir sem habilitação e não prestar socorro a vítimas — podendo chegar a R$ 1.915,40.

O que se espera é que a Câmara cumpra o seu papel e aprove a proposta para que vire logo lei. E que venham outras duras medidas para se acabar de vez com a impunidade no setor. Para o país que assinou compromisso com as Nações Unidas de reduzir em 50% as mortes no trânsito até 2020, já passa da hora de dar um basta à selvageria nas estradas.

Você pode gostar