Por bferreira

Rio - A chegada de um novo ano traz sempre muita esperança em todos os aspectos. Deixamos para trás, junto com o ano que se finda, o que vivemos de ruim e trazemos na lembrança as experiências e conquistas, renovando à meia-noite do dia 31 todos os nossos desejos e objetivos a serem alcançados. Num ano peculiar como esse prestes a se iniciar, é preciso que cada um de nós tenha consciência da oportunidade que teremos de contribuir para um novo futuro para o Brasil, pois 2014 não se resumirá à Copa do Mundo — afinal, no segundo semestre teremos eleições. Nunca estivemos tão conscientes das mudanças que precisamos implementar, a começar nas urnas.

Em verdade, os últimos anos têm sido de muita expectativa para o Brasil, essencialmente para o Rio de Janeiro, que já em 2013 sediou a Jornada Mundial da Juventude, além da final da Copa das Confederações. Isso tudo sem contar com outros eventos de negócios de diversos setores da economia. Um bom momento para uma cidade que nas últimas décadas acumulou derrotas, deixando de ser não só a capital do país, como também o centro nervoso da economia nacional, com a operação da bolsa de valores indo para São Paulo.

No entanto, seja regionalmente ou no âmbito nacional, o principal momento de 2014 será as eleições no segundo semestre. Essa será a ocasião de, definitivamente, reafirmarmos toda a insatisfação demonstrada nas ruas de todas as capitais brasileiras. Não é pelos 20 ou 30 centavos, não é por falta de Educação de qualidade ou por uma saúde pública falida. É pelo conjunto. Pela totalidade de absurdos e descaso com o qual o Estado brasileiro trata o seu povo. Uma nação de quase 200 milhões de pessoas, com muita riqueza, mas com péssima distribuição de renda e um nível de corrupção vergonhoso.

Em tempos de grande conquistas, com mensaleiros presos e a classe política cada vez mais sob o olhar atento da população, mais do que nunca devemos utilizar com sabedoria a nossa maior arma democrática, que é o voto. Temos a oportunidade de dar continuidade à mudança de uma nação ainda nova, mas que não aguenta mais tanta roubalheira. Que venha 2014 e que saibamos aproveitar essa nova oportunidade de melhorar o nosso país. Feliz Ano Novo para todos nós!

Advogado criminalista

Você pode gostar