Por thiago.antunes

Rio - O caos no trânsito, provocado pela incompatibilidade do sistema viário com o excesso de veículos e a persistente e equivocada opção pelo transporte rodoviário, traz uma espécie de tsunami diário que inunda as ruas de ônibus. Fenômeno que torna a vida dos cidadãos numa tragédia permanente, com muitos trabalhadores levando mais de seis horas diárias nos deslocamentos casa-trabalho-casa. Natural que desperte intensos debates sobre a mobilidade urbana.

Para tal, estão sendo organizados seminários, encontros, congressos, um não-sei-quantos artigos publicados nos jornais e entrevistas dadas nas rádios e televisões. Tudo sempre apoiando o transporte rodoviário, transporte coletivo, reforçando as políticas governamentais de desprezo ao transporte de massa (trem, metrô e barcas).

Na contramão das propostas que vêm sendo implementadas, acompanhando as obras e discussões sobre a revitalização da Zona Portuária, que incluiu a demolição da Perimetral para embelezamento da cidade, voltei meus olhos para o milagre da Baía de Guanabara, que interliga quase todos os mais populosos municípios da Região Metropolitana — Rio de Janeiro, Niterói, Caxias, São Gonçalo, Itaboraí e Magé, além da Ilha do Governador e Paquetá.

Estou lutando no sentido de despertar os formuladores das políticas públicas de transporte para a possibilidade e conveniência, em nome do interesse maior da população, de transformar o Armazém 18, em frente à Rodoviária Novo Rio, em Estação de Barcas, com a criação e ampliação de linhas provenientes dos municípios e das ilhas acima.

O Armazém 18, que fica também em frente à Avenida Francisco Bicalho, possibilitará, através de VLT a ser construído sobre o canal que a divide, a ligação com as estações de trem e de metrô no entorno da Praça da Bandeira e do Estácio. Talvez o grande alcance da proposta, o seu pequeno custo e o enorme benefício para a população sejam a causa do desinteresse dos especialistas, que continuam propondo soluções para a mobilidade urbana de braços dados com a Fetranspor.

Paulo Ramos é deputado estadual pelo Psol

Você pode gostar