Por tamyres.matos

Rio - É tão patética a pessoa que finge que não te conhece! Porque você sabe que ela te conhece. E ela sabe que te conhece. Em geral, ela finge mal, porque você é tão importante que isso a denuncia.

Por que fingir que não se conhece alguém que se conhece? A única explicação é que o ser que blefa quer se fazer superior, inalcançável. Como se fosse uma celebridade e fosse óbvio que você o conhecesse. Senão, ele também não vai assumir te conhecer. Como se gritasse: como ousa ignorar a minha existência? Porque é preciso ser perfeito e não deixar falhas. Para ser um bom blefador, é condição inerente que se saiba atuar, sem cair em contradição jamais. O que você tem a fazer ao se deparar com isso? Não dar respostas, nem completar frases que ficam no ar, as quais dão autenticidade ao impostor.

Passe as horas, os minutos, os segundos e pronto. Ignore e releve. É tudo tão rápido, tudo tão pequeno. Mas quão grande é o desconhecido, o amor apaixonado, o riso frouxo, ser verdadeiro.

Amar, não ter amarras. Não ter cascas. Alguém se interessar por você, simples assim, sem credenciais. Alguém parar e simplesmente notar que você está ali, sem saber nada seu, pois o ter é passageiro e perecível. A cada dia precisa-se aprender a viver, sem que para tal a defensiva nos leve a uma conduta inverossímil.

Para se adaptar às situações, muitas vezes somos levados a fingir ser quem não somos e a chegar em casa com a boca cansada de sorrir forçado e o corpo querendo simplicidade. Estar entre amigos reais, família, aquele cenário em que dificilmente se blefa, todos são obrigados a conviver com pessoas que não têm a menor afinidade.

Mas são família, sangue do sangue, não há muita cerimônia e então se fala o que se pensa, se age como se é, goste você ou não, afinal, você é da família. Por mais que critiquemos e falemos que os amigos é que são a família que escolhemos, com eles nem sempre nos portamos com tamanha verdade, com exposição dos nossos podres, com nossos pesares aparentes.

Quisera eu poder provar um ponto. Fazer a pessoa enxergar com a minha cultura, com a minha vivência. Mas cada um tem a sua experiência. Alguém acha que sabe tudo e você vê tão claramente que ele não sabe nada. O escuro, o desvendar, o desprezo, o despertar. A coragem do amanhecer, a virilidade do fim da madrugada, as luzes artificiais. Tudo o que você vê e o quanto não veem. Quanta vida há na inocência.

Por que ignorar sua sabedoria? Nos fazemos de cegos. Há muitos especialistas em fingimentos. Mas é preferível enxergar.

Você pode gostar