Por bferreira

Rio - Pelo amor de Deus, um par de asas! Urgente! Preciso tentar me locomover pelos ares, porque por terra tá puxado demais! Claro que não é pessoal, é geral. Você também deve estar querendo um par de asas. Aliás, todo mundo só fala nisto, só pensa no trânsito, se aborrece e se estressa todo dia. Estamos mergulhados no caos. A sensação que tenho é de que nunca mais a gente vai poder se mover em paz nesta cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro! Cada vez que alguém me lembra que a Copa do Mundo está chegando meu pânico aumenta. E nem estou falando do sucesso ou do fracasso da organização do evento. Meu pânico é mesmo sobre o ir e vir durante a competição.

Acordo de manhã ouvindo o buzinaço, olho pela janela o trânsito já parado, tudo engarrafado à minha volta, num dia comum, com tudo funcionando à meia bomba porque até o Carnaval, todo ano, é assim mesmo, tudo funciona mais ou menos até a folia acabar. Os jornais falam de alternativas pro trânsito, os aplicativos da internet dão sugestões, mas dá até medo de sair de casa. A faxineira chega exausta, quatro horas depois que saiu de casa, já pensando em como vai ser na hora de voltar. Ir a qualquer lugar da cidade requer uma estratégia, um estudo da rota, uma escolha de horário, algumas orações e um punhado de sorte. Tarde da noite, da mesma janela, vejo que a situação não muda muito. Na madrugada também se engarrafa como na hora do rush. Aliás, dependendo da direção que se vai, o horário do pico pode ser entre meia-noite e meia até uma e meia da manhã.

O motorista de táxi, irritado logo cedo, conta que na noite anterior, ao chegar em casa, chorou, exausto, com ódio do mundo, da vida e, claro, das autoridades. Sim, porque além de não ajudarem a resolver a questão, ainda se dão ao desfrute de mandar a população evitar esta ou aquela ou mais de uma área da cidade, com uma naturalidade que mais parece deboche. O trânsito é, com certeza, o principal assunto de toda a gente. Todo mundo tem uma história triste pra contar. Do compromisso e do tempo perdido ao atraso no trabalho.

Até o horário de quem toma remédio para a pressão, por exemplo, está sendo afetado porque, com certeza, no engarrafamento não tem banheiro. A partir de amanhã, pode piorar. Os blocos estão na rua. O Carnaval já está rolando. Os turistas já chegaram. A festa é de todos e para todos. Pelo menos a ideia é esta. Tomara que seu bloco preferido saia de perto da sua casa, porque do contrário você pode passar o Carnaval no trânsito. E ainda corre o risco de ouvir alguma autoridade dizer para você evitar o Carnaval. Ou quem sabe mudar de bloco.


Você pode gostar