Sérgio Romay: Polo de empregos e renda

A celebração do 1º de Maio, este ano, teve significado especial para o trabalhador fluminense

Por O Dia

Rio - A celebração do 1º de Maio, este ano, teve significado especial para o trabalhador fluminense. Não apenas pela celebração de direitos históricos, consagrados em lei, mas pelo novo cenário de possibilidades no mercado. Nos últimos sete anos, o Estado do Rio tornou-se um polo gerador de empregos e renda, graças a uma política efetiva de atração de investimentos e de capacitação profissional. Desde 2007 foi criado 1,15 milhão de vagas, que se espalham pelos mais diversos setores, do comércio à indústria naval.

A Secretaria Estadual de Trabalho e Renda tem investido na qualificação de mão de obra e na abertura de novas frentes de empregabilidade. Os avanços foram significativos. Através de programas como o Plano Territorial de Qualificação (Planteq), realizado com recursos do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT), e o Plano Setorial de Qualificação (Planseq), voltado para a capacitação de beneficiários do Bolsa Família, foram capacitados mais de 400 mil trabalhadores em ocupações relacionadas à construção civil e ao turismo.

Segundo dados do Ministério do Trabalho, será criado 1,38 milhão de empregos diretos e indiretos no Estado do Rio até 2020. Média de 172,6 mil novos postos de trabalho a cada ano. Para tanto, a Setrab intensificou os serviços de captação de vagas, com a abertura e reestruturação de 12 agências estaduais de Trabalho e Renda, além da parceria com órgãos governamentais e instituições privadas.

Em julho do ano passado, a inauguração da Casa do Trabalhador, em Manguinhos, abriu um novo horizonte de oportunidades para a população. Com 10 salas e capacidade para atender 800 pessoas por dia, a unidade levou cidadania e serviços para comunidades que antes eram privadas de atendimento básico. Nestes quase 10 meses, a Casa encaminhou mais de 10 mil trabalhadores para vagas de emprego e capacitou cerca de 14 mil pessoas, em 32 cursos de qualificação profissional.

A Casa do Trabalhador consolidou a ocupação social, com oferta de serviços e infraestrutura de atendimento. Em breve, serão inauguradas unidades na Rocinha e no Complexo do Alemão para atender aos trabalhadores das duas comunidades. Eles vão encontrar ali não só a perspectiva de ampliar sua formação, mas também uma mediação social em aspectos plurais da cidadania. Esse é o objetivo que perseguimos desde o início.

Sérgio Romay é secretário Estadual de Trabalho e Renda

Últimas de _legado_Opinião