Liliam Sá: A CPI dos políticos pedófilos

A sociedade, por sua vez, em muitos casos considera normal esse tipo de abuso

Por O Dia

Rio - Ao encerrar o trabalho da CPI da Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes, da qual fui relatora, pude comemorar, juntamente com defensores dos direitos da infância, algumas vitórias, mas ainda temos muito a lutar. Percorremos 13 estados e fizemos 36 diligências. Indiciei 37 pessoas e apresentei 11 projetos. Em Coari (AM), a CPI mandou para a cadeia o prefeito Adail Pinheiro, acusado de chefiar uma rede de exploração sexual infantil. Testemunhas contaram que foram estupradas pelo prefeito aos 10 anos.

A CPI também mandou para a prisão o ex-deputado estadual Nilson Nelson Machado, o Duduco, de Florianópolis, acusado de abuso sexual contra menores que ele adotava. O ex-deputado responde em liberdade e foi indiciado pela CPI.

No Rio, só depois do pedido da CPI de revisão da pena do condenado pelo sequestro de Larissa Gonçalves, sequestrada aos 11 anos, em São Cristóvão, em 2008, Fernando Marinho de Melo foi preso. A pena, antes limitada a quatro anos em regime aberto, passou para sete anos de prisão.

O que mais me deixou perplexa foi o envolvimento de autoridades, como policiais, políticos e juízes, com quadrilhas especializadas, como clientes ou participando diretamente do aliciamento. Geralmente são homens casados a partir dos 35 anos. Vale destacar a clientela dos turistas estrangeiros, registrando-se o aumento da exploração sexual durante megaeventos, como esta Copa do Mundo.

A sociedade, por sua vez, em muitos casos considera normal esse tipo de abuso. Em alguns estados, a tolerância à pedofilia é uma questão meramente cultural.

A exploração sexual é uma mancha vergonhosa na história do nosso país e não pode mais ser tolerada. Entre os projetos que propus no relatório final da CPI estão o que regulamenta as escolas de esporte, coibindo o abuso sexual de atletas e o tráfico humano interno, e o que obriga profissionais que trabalham com crianças a apresentar certidão negativa de antecedentes criminais no momento da contratação. Outro projeto proíbe o funcionamento de casas de espetáculo sem o alvará específico. Presenciei vários casos de boates utilizadas para exploração sexual, sendo o estabelecimento uma mera fachada.

Espero que a CPI tenha dado uma contribuição efetiva para a melhoria no sistema de garantia dos direitos de crianças e adolescentes. O Brasil tem que ser reconhecido como um país que valoriza suas mulheres e cuida de suas crianças.

Liliam Sá é deputada federal pelo Pros

Últimas de _legado_Opinião