Ana Paula Conde: Muito antes das urnas

As mais diversas alianças se consolidam, pesquisas começam a mostrar as preferências dos eleitores e também o desânimo deles com a política nacional

Por bferreira

Rio - O clima das eleições está esquentando. As mais diversas alianças se consolidam, pesquisas começam a mostrar as preferências dos eleitores e também o desânimo deles com a política nacional. O pleito deste ano é o primeiro após as manifestações de meados do ano passado, quando a eficiência do sistema político começou a ser questionada.

A sociedade não está satisfeita com o que vê como um descolamento entre os seus interesses e aquilo que os representantes priorizam. Mas não dá para simplesmente colocar no mesmo patamar as críticas à representação no Brasil e as existentes em outras democracias mais consolidadas. E o ponto que quero abordar aqui é o ainda diferenciado acesso aos direitos civis.

Como falar de fato em direitos políticos sem garantida à vida, à liberdade, ao direito de ir e vir e à igualdade perante a lei? Como revela a prévia do Mapa da Violência 2014, em 2012, 56.337 pessoas foram assassinadas em todo o país, um aumento de 7,9% em relação a 2011.

Entre as vítimas estão políticos e candidatos envolvidos no pleito daquele ano, em um claro sinal de não aceitação das regras democráticas, pelas quais indivíduos e suas propostas são eliminados somente pelas urnas. Quantas demandas não deixam de ganhar visibilidade e chegar ao centro do cenário político, transformando-se, quem sabe, em leis, quando possíveis líderes e candidatos a cargos eletivos são dizimados?

Nas últimas eleições, a Força Nacional precisou atuar em diversas regiões do país para garantir a livre escolha dos eleitores e o direito de circulação de candidatos em regiões nas quais o Estado é ausente. Mas a presença dela é apenas pontual e emergencial. A necessidade de um sistema que garanta o Estado de Direito em todos os rincões de forma permanente não pode ser esquecida no debate sobre a representação.

Ana Paula Conde é jornalista, cientista política e professora

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia