Sergio Bandeira de Mello: Food trucks e poluição

Nada contra os food trucks. Desde que haja o mínimo de higiene, qualidade e organização, que sejam bem-vindos

Por O Dia

Rio - Uma experiência iniciada em 2008, em Los Angeles, por um chef coreano que montou um ‘restaurante sobre rodas’ para vender tacos caiu no gosto do público e acabou rompendo fronteiras. Virou moda. Os chamados food trucks (‘caminhões de comida’, na tradução) se espalharam e chegaram também ao Brasil. A alternativa é até simpática e faz lembrar os velhos trailers que décadas atrás faziam parte da paisagem da orla do Rio e atraíam desde a manhã até madrugada consumidores em busca de um lanche rápido e barato.

Nada contra, portanto, aos food trucks. Desde que haja o mínimo de higiene, qualidade e organização, que sejam bem-vindos. Mas é preciso que haja bom senso, respeito ao consumidor e ao meio ambiente quando modismos como esse aparecem. Não é tolerável que em ruas movimentadas de grandes centros urbanos, como o Rio de Janeiro e São Paulo, a população depare com carroças que usam lenha para cozinhar o que quer que seja. Sim, um forno a lenha sobre rodas, com o apelo de que é algo ‘charmoso’, ‘da moda’. Não, não é.

O mundo inteiro luta hoje contra a queima de combustíveis sólidos, devido não à fonte energética (lenha ou carvão), mas ao descontrole das emissões de substâncias danosas à saúde humana. Temos no Brasil uma presença invejável de GLP, o conhecido ‘gás de botijão’, versátil, seguro, transportável, com queima limpa.

O forno a lenha pode ser usado, mas apenas com a adequada retirada dos gases provenientes da queima, e tratamento dos particulados que devem ser descartados para o mais longe possível das pessoas. E não há como fazer esse processo no meio da rua. A comida feita no forno a lenha não é melhor que a feita no forno a gás — o contato com a fumaça proveniente das madeiras em queima pode alterar o sabor, se isso for feito por longos períodos, daí os produtos defumados, caso que não se aplica aos alimentos que aproximamos e tiramos rapidamente da lenha ou o carvão. Nem mesmo o churrasco, feito em uma churrasqueira a carvão, por exemplo, é mais saboroso que uma churrasqueira a gás.

Sergio Bandeira de Mello é presidente do Sindigás

Últimas de _legado_Opinião