Por bferreira

Rio - Nas raízes históricas da sociedade brasileira a cultura política sempre reservou aos indivíduos da população negra uma posição subalterna na hierarquia social. A posição imposta a estes indivíduos tem na esfera do trabalho a sua expressão mais clara e definida, sobre os quais persistem inúmeras situações de discriminação, ligadas a valores negativos imputados à imagem social do negro a partir de: marca da cor, habilidade pessoal e capacitação profissional.

Contudo, a partir da luta pela ampliação das oportunidades de ingresso de estudantes negros no Ensino Superior, a situação de subalternidade dos profissionais desta população começa a se transformar substancialmente, apontando como condição de futuro a possibilidade de ascensão desses profissionais a posições hierárquicas e de destaque.

A discussão sobre o acesso de negros nas universidades foi intensificada, em virtude da ampliação do debate em torno da possibilidade efetiva da implementação das políticas de Ação Afirmativa na sociedade brasileira. Esta política é um instrumento específico, capaz de efetivar a inédita presença nas universidades brasileiras de segmentos sociais até então ausentes desse espaço de construção da cidadania.

Neste sentido, o que desejo é pensar esta integração como expressão ampla do exercício pleno da cidadania, através de um processo de cidadanização ou, melhor ainda, de um processo de afrocidadanização.

A efetivação deste sonho é um processo que tem a ver com outras conquistas básicas: a conquista de capital cultural, a partir da ampliação das oportunidades educacionais; a mudança de paradigmas da sociedade brasileira, que considera os negros como subalternos. Portanto, a passagem pela universidade, amplia também o capital social, abrindo avenidas de mobilidade que estariam fechadas aos indivíduos da população negra. Neste aspecto, posso afirmar que as ações afirmativas têm ampliado os direitos de cidadania de negros, atuando como uma poderosa ferramenta no processo de afrocidadanização.

Reinaldo Guimarães é professor e escritor

Você pode gostar