Por felipe.martins

Rio - As férias acabaram e, com elas, chegam também o fim dos horários flexíveis, as tardes livres e as noites de jogos no computador, de conversas com amigos e dos filmes. É muito difícil se preparar para o retorno à escola e para voltar a esta rotina que envolve toda a família. É muito comum, neste recomeço, o aluno se sentir ansioso. Os motivos mais habituais são: o medo de não ser aceito pelo grupo, saber lidar com os novos professores, aprender novas disciplinas e o nervosismo com avaliações.

Somada toda a ansiedade deste recomeço, será nestas primeiras semanas que se restabelecerão a disciplina e a ordem necessárias para que a criança ou o adolescente comece a se adaptar aos horários e as atividades dentro e fora da escola. Os pais podem contribuir muito para que haja boa adaptação, valorizando os professores, a aprendizagem e o conhecimento. É um bom momento para se aproximar da escola e conhecer a proposta pedagógica. Depois, encorajar os filhos com palavras positivas e apoiá-los nas dificuldades e preocupações.

É importante ainda dosar o nível de cobrança e críticas, estar atento à forma como eles estão encarando este momento e, se preciso, ajudá-los em suas questões. Basta ter em casa ambiente propício para os estudos e manter sempre um diálogo franco e aberto, a fim de participar ativamente das demandas com objetivo de dar estabilidade e segurança para eles. Boa dica é organizar horários fixos para dormir e acordar, tomar banho, fazer refeições, estudar e fazer deveres ou atividades extras, não esquecendo de deixar um tempo livre para que o filho possa fazer o que quiser.

Por outro lado, a escola deve entender o começo das aulas como um processo no qual são envolvidos todos os colaboradores da instituição: diretores, coordenadores, professores, funcionários, famílias e principalmente os alunos. Mais do que recebê-los, a escola deve acolhê-los, independentemente da idade, com frases de boas-vindas, dinâmicas de integração e muito afeto. Todos devem colaborar e fazer da volta às aulas um momento de entusiasmo, com educadores acreditando em seus projetos e estudantes motivados a trilhar caminhos na busca de seus objetivos pessoais.

Ester Chapiro é psicopedagoga especialista em Orientação Educacional

Você pode gostar