Por bferreira

Rio - Que papel teriam virtudes como honestidade e confiabilidade no desempenho do homem público? Que fazer quando interesses individuais desvirtuam o interesse público? Que reforma política poderia mudar situação tão desmoralizada? Infelizmente, o mundo parlamentar e a reflexão ética não têm caminhado juntos.

Os recentes escândalos trouxeram um componente muito mais grave e duradouro do que as piores consequências políticas no curto ou no médio prazo. O repertório de práticas ilegais é aumentado a cada dia pelas revelações de novos crimes, em tal profusão, que chegam a se banalizar por saturação na cobertura da mídia e na percepção do povo. Executivos de grandes empresas, mancomunados com interesses partidários, causam indignação e destroem a credibilidade dos governantes. O país vive círculo vicioso: as insuficiências dos administradores se refletem no seu produto. A mediocridade da gestão político-administrativa incide no mau ânimo que a sociedade brasileira vive como consequência do aparelhamento da Petrobras, gerando a famigerada Operação Lava Jato.

Em crise, a Petrobras afundou o PIB e o emprego. Lista de políticos foi investigada pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, e encaminhada ao Supremo. Como as investigações já estão avançadas, e parte das delações, divulgada, não há razão de se manter o inquérito sob sigilo. Esperamos que a justiça se faça. Temos que banir do país o império da corrupção e reconciliar a política com a sociedade.

A vergonha que hoje aflige o Brasil encerra lições que não podemos esquecer. Urge, pois, uma reforma do Estado e, em decorrência, uma reforma política que legitime a atividade parlamentar para que os cidadãos possam respeitá-la. Porém, no momento atual, a percepção da sociedade em relação ao processo político está associada à mentira e à corrupção, germens que começam desfigurando as instituições e que trazem consigo o perigo de corromper o próprio caráter do cidadão, contaminando toda a sociedade.

Carlos Alberto Rabaça é sociólogo e professor

Você pode gostar