Frei Betto: A idade do 'gênio'

Uma das miopias que carregamos é considerar a criança um ser ignorante

Por O Dia

Rio - Nosso olhar está impregnado de preconceitos. Uma das miopias que carregamos é considerar a criança um ser ignorante. O educador e cientista Glenn Doman se colocou a pergunta: em que fase da vida aprendemos as coisas mais importantes que sabemos? Falar, andar, movimentar-se, distinguir olfatos, cores, fatores que representam perigo, diferentes sabores, etc? Ora, 90% de tudo que é importante para fazer de nós seres humanos aprendemos até os 6 anos, período que Doman considera “a idade do gênio”.

Ocorre que a Educação não investe nesta fase. Nascemos com 86 bilhões de neurônios no cérebro. As sinapses, as conexões cerebrais, se dão de maneira acelerada nos primeiros anos da vida.

Glenn Doman tratou crianças com deformações esqueléticas incorrigíveis, porém de cérebro sadio. Hoje são adultos que falam diversos idiomas, dominam música, computação, etc. São pessoas felizes, com boa autoestima. Ao conhecer no Japão um professor que adotou o método dele, foi recebido por uma orquestra de crianças; todas tocavam violino. A mais velha tinha 4 anos...

Ele ensina em seus livros como se faz uma criança, de 3 ou 4 anos, aprender um instrumento musical ou se autoalfabetizar sem curso específico de alfabetização.

Se me perguntassem: para o Brasil dar certo, que reformas precisariam ser feitas? Eu diria: uma objetiva e outra subjetiva. A objetiva é a reforma agrária. Brasil e Argentina são os únicos países das três Américas que nunca passaram por uma reforma agrária. O detalhe é que somos o único país das Américas com área cultivável de 600 milhões de hectares e com enorme potencial de produção extrativa, como é o caso da Amazônia.

A reforma subjetiva seria a da Educação. Todo o potencial da nossa vida depende da educação recebida. A Educação no Brasil nunca foi suficientemente valorizada. E sofreu um trauma durante a ditadura militar, ao adotar o método usamericano de não qualificação dos conteúdos, e sim de quantificação.

Sobretudo suprimiu do currículo disciplinas que nos ajudam a pensar, como Filosofia e Sociologia, agora reintroduzidas em algumas escolas de Ensino Médio. Durante décadas foram proibidas, tanto que em Belo Horizonte um professor, aos sábados, resolveu, por conta própria, dar aula de Filosofia para alunos que se interessassem. O êxito foi tamanho que a escola teve que introduzi-la no currículo.

Frei Betto é autor de 'Alfabetto – Autobiografia Escolar' (Ática)

Últimas de _legado_Opinião