Karla Rondon Prado: Rio, eu gosto de você

A beleza aqui é divina, mas não se vive só dela, não. A gente também tem o bom e o ruim para administrar

Por O Dia

Rio - As moças tatuadas e de corpo bonito passam vendendo vestidos e falando ‘portunhol’. Estou na Praia do Leblon e resolvo escrever a coluna. Preciso contar sobre as férias no Rio. Será que consigo? Ou vão passar correndo e roubar o meu celular? Não sei! Olho pro Morro Dois Irmãos e o Vidigal. Associo à Rocinha e lembro da tragédia de segunda-feira em São Conrado. Que tristeza. Estou diante de um lindo cenário e penso se está tudo bem com o gás de casa.

Leda Nagle conta que tentou contato com a CEG, que não tinha interesse em dar dicas de segurança à população até então.

Impulsionada por um colega, resolvo ler os comentários dos leitores do ‘G1’ sobre a explosão em prédio do bairro. Não sei como começou, mas, diante de um problema desse tamanho, que poderia atingir qualquer cidadão em qualquer parte do mundo, começo a ler comentários assombrosos sobre o Rio e os cariocas. Na reportagem relatando o ocorrido, uma onda preconceituosa se formou. Leitores culpando o jeito de ser de quem vive aqui por tudo de errado, reduzindo a cidade e dividindo seu povo entre ‘periguetes’ e ‘malandros’. Aonde foi parar a solidariedade? Desde quando defendemos separar os estados e só sobrar de pé o que deu certo, como se fosse possível desprezar o resto?Ah, meu braço está podre, deixa eu jogar ele fora.

Vamos nos unir.

A beleza aqui é divina, mas não se vive só dela, não. A gente trabalha, enfrenta as agruras, tem o bom e o ruim para administrar.

Voltando às areias, as cores dos vendedores me atraem. O cara que percorre quilômetros ida e volta carregando a barraca lotada de biquínis, a moça que passa com outra barraca vendendo coloridos móbiles, o homem do mate que carrega os galões e agora é bilíngue gritando ‘ice tea’, o cara da barraca que traz a cerveja geladinha na mão como em qualquer hotel cinco estrelas.

Acalmemos o coração. A meu lado, a menina de fora daqui é linda, se fotografa e já comprou tudo que passaram vendendo. Uma família de italianos tem filhos lindos e que também fazem má-criação à mãe. Os rapazes jogam bola, e o sol tenta vencer as nuvens. Vamos ver o lado bom.

E-mail: karlaprado@odia.com.br

Últimas de _legado_Opinião