Por bferreira

Rio - O período de escolha profissional é, na maioria das vezes, muito difícil para os estudantes, pois decidir o que fazer e que curso optar significa decidir quem quer ser diante de tantas oportunidades e profissões. Esta semana, começaram as inscrições para o Enem, iniciando-se assim um processo de dúvidas e indecisões para muitos dos jovens.

Escolher um curso superior abrange mais do que adotar uma profissão ou ocupação para a vida. É o momento de assumir postura autônoma diante da sociedade e direcionar seu destino pessoal. Tal situação envolve vários sentimentos, gera ansiedade, angústia e expectativas nos alunos e nas famílias.

Neste contexto, a escola tem papel fundamental, mas não com respostas prontas. Ela entra como peça fundamental no processo de elaboração de um projeto de vida; consequentemente, um processo de tomada de decisão. Com isso, fica claro que a escola ocupa lugar privilegiado na construção de valores e competências necessárias para um projeto futuro, abrindo as portas para que os alunos reflitam sobre seus interesses, identifiquem suas potencialidades e limitações, permitindo o autoconhecimento.

Sendo assim, cabe à escola, seja ela pública ou privada, proporcionar atividades que favoreçam discussões sobre temáticas relativas à escolha profissional, mercado de trabalho e relações sociais na contemporaneidade. Assim como possibilitar a relação dos conteúdos trabalhados em sala com o perfil profissional das diversas carreiras, além de elaborar projetos de orientação profissional que sensibilizem os alunos no momento da escolha.

Não podemos esquecer que a necessidade de obter o melhor desempenho nos vestibulares faz parte de período específico no qual estão envolvidos diferentes aspectos sociais, familiares, educacionais e pessoais que precisamos respeitar. Para tanto, é preciso criar e oferecer condições para que façam, diante de tantas variáveis, a melhor escolha. O papel da escola é contribuir, através da ação de seus educadores e da sala de aula, para a concretização da escolha de uma carreira que contemple um projeto de vida consciente, realista e sem dúvida feliz.

Viviane Sá é orientadora educacional do CEL

Você pode gostar