Editorial: Um basta na ‘epidemia do trânsito’

O Brasil não pode tolerar tamanha violência em suas vias por muito tempo

Por O Dia

Rio - O Mercosul assinou nesta quinta-feira acordo para reduzir as mortes por acidentes de trânsito, que nos últimos anos aumentaram no bloco — inclusive no Brasil. Para o ministro da Saúde, Arthur Chioro, trata-se de questão de saúde pública — como este espaço várias vezes reiterou — e de estancar “uma epidemia”.

A despeito da rígida e bem-sucedida Lei Seca e das caras multas previstas no Código de Trânsito, de 2009 a 2013 o Brasil passou de 18,3 óbitos por 100 mil habitantes para os atuais 22,5, taxa que só perde para os números da Venezuela — que registrou 37,2, quase o dobro do apurado seis anos atrás.

Muitos dos brasileiros que perderam a vida eram motociclistas, não por acaso o grupo prioritário nas campanhas que virão. Outro foco das ações invariavelmente será os jovens condutores, outro traço comumente observado nos óbitos. O trânsito só não matou mais nessa faixa etária no país que os homicídios — foram sete mil dos cerca de 42 mil mortos de 2013 —, o que escancara dois dos maiores desafios sociais das autoridades.

A escalada das estatísticas sinistras pode indicar, porém, um possível esgotamento da eficácia das leis que regem o trânsito. É inegável que dobrar mais uma vez o valor das multas ou coalhar o país de blitzes da Lei Seca trará resultado, mas os números ensejam ampliar o campo de visão. Talvez seja mais profícuo também rever o processo de formação de condutores, avaliar itens de segurança em automóveis e motos e ver até que ponto as ruas e estradas do país oferecem riscos de acidentes.

É sempre pertinente lembrar que, além da dor incomensurável de perder uma vida no asfalto, a selvageria no trânsito traz enormes prejuízos. Em 2013, o SUS registrou 170.805 internações por acidentes de trânsito, e R$ 231 milhões foram gastos no atendimento às vítimas.

O Brasil não pode tolerar tamanha violência em suas vias por muito tempo. Que a parceria com o Mercosul traga boas ideias e iniciativas.

Últimas de _legado_Opinião