Ricardo Cravo Albin: Cachaça, sedução e cultura mundo afora

Bebida é agora produto de forte apelo mundial, no mesmo patamar de congêneres como tequila, rum e eau-de-vie

Por O Dia

Rio - Em recente reunião de escritores e intelectuais, fiquei muito espantado e gratificado quando a conversa derivou para observações sobre a arte e os prazeres das bebidas, em especial a nossa cachaça. Ora, em um salão em que se respiravam livros e artimanhas do espírito, o assunto veio a calhar.

A cachaça é agora produto de forte apelo mundial, no mesmo patamar de congêneres como tequila, rum, eau-de-vie e poucas outras. Que a nossa brasileiríssima cachaça e seu derivado mais imediato, a caipirinha, são produtos que estão na mente, no coração e, sobretudo, na boca dos brasileiros, sempre soube. Ou seja, a cachaça ejeta-se de sombrio passado de escárnio para alçar-se a uma bebida premium, de acolhimento universal. Há que se comparar a antiga “marvada”, ou “caninha”, a um ativo cultural do Brasil, além de commodity em ascensão.

O Estado do Rio produz o que há de melhor no gênero. Aliás, soube de projeto irradiador: o governo fluminense pretende dar musculatura a produtores locais, incentivando-lhes as exportações. E, oh! maravilha, viabilizando a ideia de culturalizar-se cada vez mais o “preciso líquido” com um possível Museu da Cachaça. Cá no Rio.

Eu anotaria que ela está a caminho de se ombrear, como objeto de desejo, à imbatível luminosidade da nossa Música Popular Brasileira, que, como sabemos, talvez seja o principal item artístico do país no exterior. Na cachaça, o paladar aguça e faz aflorar o sabor, tal como o uísque ou o conhaque.

Mas há — e é importante que se observe — absoluta necessidade de investirmos em campanhas publicitárias destinadas à sua maior expansão, já que a sequência prioritária, a caipirinha, triunfa entre os drinques mais solicitados do globo, como o Cuba Libre ou o dry-martíni.

A falta de autoestima e o histórico preconceito não automatizam o que deveria ser tão natural quanto obrigatório. Ou seja, que, em cada frigobar de hotel, estivessem presentes garrafinhas da mais fina aguardente. Bem como em todos os bares do Brasil, ao lado de garrafas de uísque.

Sonho ou patriotada? Certamente que não. Afinal, a bebida típica do país porta agora a sobriedade (com trocadilho, por favor) da rica cultura das gentes brasileiras.

?Ricardo Cravo Albin é presidente do Instituto Cultural Cravo Albin

Últimas de _legado_Opinião