Por bferreira

Rio - Recebi um convite para um encontro de ex-alunos do Colégio Santo Agostinho, mês que vem. Estou ansioso para reencontrar depois de décadas pessoas com quem convivi ora como aluno, ora como inspetor que fui. Voltou na lembrança aquele tempo tão rico em amizades e conhecimento. A lembrança dos frades como Valentin, o diretor; Juan Manuel, o secretário, e professores, como Gregório e seus cachorros; o canto orfeônico de Antonio Garciandia; Baudélio; José Belmonte; Vicente; Fermin; o craque Bernardino; o eterno amigo das crianças Heliodoro; Henrique; Eulógio; José Antonio e tantos outros.

O lema do Colégio, “Ciência e Amor”, vem de Agostinho, um homem nascido em Tagaste, norte da África, atual Argélia, em 345, que influenciou e ainda influencia a educação de muitas pessoas. Agostinho, chamado o mais santo dos sábios e o mais sábio dos santos, foi um homem comum, frágil como todos os humanos. Soube superar suas fraquezas e engrandeceu sua biografia escrevendo livros, como suas ‘Confissões’, onde assume publicamente essas fraquezas, num exemplo de superação.

Fundou uma ordem religiosa que está espalhada por todos os continentes e se dedica à educação e a manter vivo seu método filosófico. Conheci muitos frades recém-chegados da Europa, jovens cheios de amor para distribuir, que tinham como destino as missões de Lábrea e do Marajó, onde se enfurnavam na Amazônia e lá viveram os melhores dias de suas vidas, educando e cuidando de dar respeito e dignidade às pessoas aonde não chegam políticas públicas.

Agostinho conseguiu ‘cristianizar’ a filosofia de Platão a partir da definição dos mundos distintos das ideias e dos sentidos, o qual identificou como o terrestre e o Céu. Hoje, Frei Betto faz a mesma aproximação quando encontra semelhança na igualdade pregada pelos marxistas como a fraternidade e o respeito ao próximo que a releitura do Cristo fez e que os primeiros apóstolos vivenciaram tornando comum seus bens e valores.

Tais recordações me chegam com o sentimento de gratidão por ter sido contemplado com uma bolsa no Santo Agostinho, fato fundamental em minha formação de ciência e amor.

Siro Darlan é desemb. do TJ e membro da Associação Juízes para a Democracia

Você pode gostar