Editorial: COP21 foi melhor do que nada

Líderes deram um passo importante para tentar salvar o mundo das cruezas do ‘progresso’

Por O Dia

Rio - Terreno historicamente com falatório de mais e compromissos de menos, cúpulas de chefes de Estado sobre o clima nunca mais serão as mesmas depois da COP21, encerrada sábado com um inédito e sério acordo. Subscrevem o documento final 195 nações, incluindo as grandes potências, prometendo limitar o aquecimento global a um grau e meio.

Trata-se do maior avanço na preservação do planeta desde o Protocolo de Kyoto, de 1997, pois pela primeira vez na história houve consenso. Lamenta-se que se tenha demorado tanto para chegar até ele, o que talvez já tenha comprometido qualquer futuro esforço. Também precisam de atenção a frouxidão de metas e prazos e o montante considerado baixo de 100 bilhões de dólares para o ‘fundo ecológico global’.

A despeito das falhas, que sempre vão existir em tratados amplos como este, líderes deram um passo importante para tentar salvar o mundo das cruezas do ‘progresso’. Nunca é tarde para perceber que não há alternativa à agressão à Terra.

Últimas de _legado_Opinião