Por bferreira

Rio - Causou furor, à primeira vista, a notícia de que o governo do estado vai quitar dívida de quase R$ 40 milhões da SuperVia com a Light. Com alguma razão, funcionários públicos indagaram de onde sairia o dinheiro, uma vez que o salário deste mês custou a sair e o 13º será pago a duras penas — só para citar os problemas mais graves da falta de caixa que está paralisando serviços.

Justifica o governador Pezão que se trata de decisão que evita aumento imediato de 30 centavos na tarifa dos trens. Não é benesse do governo, que está tão-somente fazendo um empréstimo.

A questão é polêmica, mas enseja bom debate sobre contas públicas, do qual o grosso da população se esquiva na maior parte do tempo. Esquece-se da premissa cruel, mas verdadeira, de que não existe almoço grátis.

A severa crise, que a população há de vencer, ensina a cuidar do Erário e põe na berlinda o modelo de Estado-Pai, que tudo banca. Isso tem preço, que na recessão vem com peso ainda maior.

Você pode gostar