Por felipe.martins

Rio - Dizem por aí que temos duas opções para encarar a vida. Ver o copo meio cheio ou meio vazio. Sempre preferi ver o lado bom das coisas e busco gastar menos tempo com o que dá ou deu errado. Busco a solução e pronto. De forma alguma isso quer dizer que ignoro os problemas, mas, sim, que não gasto tempo e energia desnecessária com o que não se pode mudar. O negócio é aprender com o que dá errado e seguir em frente. No mundo de hoje (crises de toda ordem, guerras eternas entre povos etc), escolher ser otimista e encarar tudo de frente com um sorriso no rosto já é em si um ato político e de bravura. 

Falei de copo, mas quero falar de água. Ela é o recurso natural mais abundante do planeta. Mas existe um grande ‘porém’: estima-se que 40% da população global sofra com a escassez desse bem, e a tendência é aumentar.

Mas por que um empresário de varejo e indústria têxtil está falando de crise hídrica? Explico. Sou a segunda geração de empresa de moda feminina de 21 anos de existência e hoje tenho o desafio de direcioná-la para o futuro. Acredito que o papel do empresário hoje é muito mais do que ótimos resultados (esse é objetivo-fim de qualquer negócio). É preciso criar, dialogar e levar à sociedade temas importantes para reflexão e principalmente agir de forma cada vez mais responsável.

Desde o ano passado, criamos o ‘sonho’ da marca: queremos gerar um impacto positivo na sociedade e transformar um pouquinho o mundo num lugar melhor através do nosso negócio, baseado sempre nos ideais de generosidade, amizade, diversidade e bom humor. A partir dessa ideia, criamos grande campanha de sensibilização para a preservação ambiental com foco na escassez da água chamada ‘Correntes do Bem’. A mecânica é simples: quem comprar uma t-shirt (criada exclusivamente para o projeto), ajudará pessoas que não têm acesso a água potável no país. O lucro da camisa será 100% revertido para compra de filtros da Waves for Water, que transformam água suja em potável. Esse movimento pretende ajudar mais de 30 mil pessoas em cinco estados: Rio, São Paulo, Amazonas, Bahia e Ceará. Instituições nos ajudarão a fazer com que os filtros cheguem para quem precisa.

Fazer o bem nunca sairá de moda. Assim como ver o copo cheio. Nesse caso, de água limpa.

Renato Cohen é empresário e atleta


Você pode gostar