Por felipe.martins

Rio - O endosso da Organização Mundial da Saúde acerca do sucesso da Olimpíada, a despeito do surto de zika, ratifica que todos os esforços para conter o mal estão no caminho certo. A OMS é uma das entidades que estão engajadas no controle da doença e preocupadas com seus desdobramentos, como a relação com a microcefalia.

A fala da organização em absoluto significa que a situação está controlada. Ainda há muitas arestas a aparar, como mostrado esta semana pelo DIA. A subnotificação, por exemplo, é uma delas. Estima-se que apenas 10% dos casos sejam registrados, o que cria distorções nas estatísticas — e prejudica o entendimento da epidemia.

A falta de clareza nas unidades de saúde, que tem gerado alguma bateção de cabeça, para apreensão dos doentes. É preciso adotar protocolo para orientar pacientes e médicos.

Por fim, embora seja óbvio, não se pode limitar a busca a criadouros a ‘Dias D’ e mutirões. É imprescindível ser rotina intensa.

Você pode gostar