Por felipe.martins

Rio - Reaberto esta semana, o Zoológico do Rio ainda está longe de seus tempos de glória, quando, invariavelmente lotado e pulsante, fazia campeões de voto em protesto e juntava multidões para ver suas estrelas.

Na miríade de transformações por que passa o Rio, o Zoo infelizmente foi relegado a segundo plano. Não que não houvesse ideias para o centenário e querido parque; apenas ele não foi tratado como prioridade, como já admitiram as autoridades.

Não ter recebido atenção imediata, no entanto, jogou o Zoo em uma penumbra que pôs animais e frequentadores sob risco. Não à toa, e com justiça, a área ficou interditada por semanas. Dias tristes para um parque cuja história se confunde com a da cidade.

Depois da bronca e do mea-culpa, prometem-se mundos e fundos. A população deve cobrá-los, ainda que julgue a conclusão de outras obras como prioridade. É uma questão de tradição e de respeito aos animais — que nada têm a ver com política.

Você pode gostar