Por bferreira

Rio - Fábio Nunes Gonçalves, de 36 anos, morreu atropelado por uma Hilux do Batalhão de Choque, na comunidade de Grota do Surucucu, em São Francisco, Niterói. Segundo a assessoria da PM, policiais militares realizavam o patrulhamento na região quando avistaram um motociclista em ‘atitude suspeita’ e, durante a perseguição, acabaram atropelando o morador. Porém, de acordo com moradores, o acidente ocorreu depois que três viaturas do batalhão, que pareciam perdidas, saíam aceleradas de um tiroteio na região, por volta das 22h30.

Segundo os relatos, a Hilux teria atingindo o homem, na tentativa de desviar de um rio, após uma curva mal feita. Fábio estava na calçada da Rua Albino Pereira conversando com um amigo (que só machucou o joelho).

Fábio, que era barman, foi levado junto com o muro da casa número 350, que ficou totalmente destruído. Ele morreu no Hospital Estadual Azevedo Lima, por volta de meia-noite e deixou um filho de 15 anos. Segundo sua prima, Ana Paula Paes, o barman estava de pijama quando resolveu ir até a rua para saber do amigo se seus filhos estavam bem depois do tiroteio perto da região. A namorada de Fábio, Raquel Maria do Nascimento, relata que o companheiro era uma pessoa alegre e que se dava bem com todo mundo. “Agora minha vida está na mão de Deus. Ele era o meu chão, eu não fazia nada sem ele e ele não fazia nada sem mim”, disse.

Recrutas para reforçar o policiamento

De acordo com a Polícia Militar, a partir de amanhã, cerca de 200 novos recrutas reforçarão o policiamento em toda Niterói. Eles irão se juntar aos 100 homens do Batalhão de Choque, 40 deles em motocicletas, que desde o mês passado reforçam o patrulhamento da cidade. No total, 680 homens farão o policiamento ostensivo em áreas de maior índice criminal e pontos estratégicos da cidade.

Segundo policiais do batalhão que faziam ontem uma blitz em motos por São Francisco, a Hilux do acidente estava bem avariada e passava por perícia no batalhão da polícia da Cidade Nova, no Rio.

Você pode gostar