Queixa contra o pastor Marcos Pereira é retirada

Contudo, processo contra o religioso continua porque o Ministério Público manteve a denúncia

Por O Dia

Rio - Um mulher que havia acusado de estupro o pastor Marcos Pereira, líder da Assembleia de Deus dos Últimos Dias (Adud) retirou nesta segunda-feira a queixa durante a primeira audiência na 1ª Vara Criminal de São João de Meriti, em Vilar dos Teles. Ela alegou ter sido coagida pelo AfroReggae a denunciar o pastor.

Mas o processo contra Marcos continua porque o Ministério Público manteve a denúncia. A alegação é de que a vítima foi coagida por membros da igreja.

Pastor está preso em Bangu 2Divulgação

Além dela, foram ouvidas testemunhas de acusação e de defesa. O religioso, que teve negado nesta segunda o pedido de liberdade, negou as acusações. Ele está preso há um mês no Complexo do Gericinó, acusado de dois estupros e coação.

O pastor chegou ao fórum com uma hora de atraso, às 15h, porque o carro que o levava enguiçou no trajeto. A audiência atrasou quase duas horas.

Testemunhas de acusação, com medo, pediram ao juiz Richard Robson Fairclough para depor sem a presença do pastor, que ficou na carceragem durante os relatos. Dezenas de fiéis e parentes do religioso foram ao fórum, alguns como testemunhas de defesa. Pastor Marcos é investigado ainda por assassinato.

Últimas de Rio De Janeiro