Informe do DIA: Cabral e o Choque

Decisão de retardar ida de Batalhão à Alerj foi tomada em conjunto por governador e presidente da Casa

Por thiago.antunes

Rio - A decisão de, na noite de segunda-feira, retardar a ida do Batalhão de Choque para a Assembleia Legislativa foi tomada em conjunto pelo governador Sérgio Cabral e pelo presidente da Alerj, deputado Paulo Melo. Os dois concordaram que a chegada da tropa poderia aumentar o tumulto e até provocar mortes.

Em conversas por telefone, eles relembraram o caso do secundarista Edson Luís, morto em 1968 pela Polícia Militar durante confronto ocorrido no restaurante Calabouço. O crime deflagou uma onda de protestos contra a ditadura.

A ordem

Pouco depois das 20h de segunda, soldados do Batalhão de Choque se preparavam para partir em direção à Alerj quando o governador mandou retardar a saída. A tropa, especializada no controle de tumultos, só chegaria ao local pouco antes da meia-noite.

Atentados

A Polícia Federal detectou que traficantes de drogas do Rio planejam pegar carona na mobilização popular. Querem reeditar atentados como os ocorridos em dezembro de 2006. A Secretaria de Segurança já foi avisada.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia