Polícia atira bombas em manifestantes de cima do prédio dos Correios

Para se defender, ativistas usam tapumes. Eles entraram em confronto com PMs em frente à Prefeitura

Por O Dia

Policiais são atingidos durante confronto em frente aos CorreiosJoão Laet / Agência O Dia

Rio - A polícia atirou contra manifestantes que protestam pela melhoria do transporte público no Rio com bombas, de cima dos prédio dos Correios. O disparo criou um cenário surreal, de fumaça se dissipando em cascata em direção à manifestação. Os presentes se protegem com tapumes.

Parte da PM segue jogando bombas dos dois lados da Avenida Presidente Vargas para dissipar os manifestantes, que não conseguem sair do local. A confusão começou porque quatro ativistas atiraram fogos de artifício em cavalos do Batalhão de Choque (BPChq), que reagiu com granadas de efeito moral, spray de pimenta e gás lacrimogênio. Ainda não há informações sobre feridos ou detidos.

Estimativa inicial é de 300 mil

A manifestação por melhorias nos transportes públicos, além de fiscalização dos contratos com as empresas, reúne aproximadamente 300 mil pessoas no Centro do Rio na noite desta quinta-feira. A contagem foi realizada pelo especialista Moacyr Duarte, da Coppe / UFRJ.

Com objetivo de organizar os manifestantes durante a passeata, o Movimento Passe Livre usará pelo menos quatro carros de som. Dois deles são da Central Única dos Trabalhadores (CUT) e do diretório estudantil da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj). Os outros veículos serão cedidos por entidades dos sindicatos e associações.

Eles vão nos ajudar na organização. De cima, vamos poder ver as brigas e avisar a polícia o local certo", explica o integrante do MPL, o professor de História, Gabriel Siqueira, de 24 anos.

Sobre a mobilização de vários partidos políticos criarem grupos durante a manifestação desta quinta, Gabriel diz que a orientação é não partir para violência. Na quarta, durante a manifestação em Niterói, apartidários e representantes do Pstu e Psol brigaram várias vezes. "Não existe divisão do movimento. Ele é apartidário e não antipartidário", completa Gabriel.

O Partido dos Trabalhadores (PT) organizou também para esta quinta, um ato em apoio à presidenta Dilma, no mesmo local e hora do MPL. A mobilização foi organizada através das redes sociais com o nome Onda Vermelha.

Violência de grupo destoa

Uma cena de violência extrema chocou manifestantes que estão na Prefeitura: um rapaz foi violentamente agredido por grupo de vândalos, só porque ele carregava bandeira do PSTU. A vítima levou socos e chutes e chegou a cair. Em seguida, ele conseguiu se levantar e sumiu na multidão. 

Segundo manifestantes, os agressores - que usam máscaras do grupo Anonymous -, estavam praticando pequenos furtos, hostilizando representantes de partidos e a imprensa. Eles foram repreendidos pelos integrantes do protesto e fugiram, temendo reação da polícia.

Interdições

A circulação de veículos está proibida nas seguintes vias: Rua Prof. Eurico Rabelo; Rua Visconde de Itamarati; Rua Isidro de Figueiredo; Rua Artur Menezes; Rua Conselheiro Olegário. Quatro horas do jogo as seguintes vias serão fechadas: Av. Radial Oeste (Av. Pres. Castelo Branco) sentido Centro; Av. Maracanã em ambos os sentidos, no trecho próximo ao Maracanã; Viaduto Oduvaldo Cozzi; Viaduto de São Cristóvão; Av. Prof. Manoel de Abreu em ambos os sentidos, no trecho próximo ao Maracanã; Rua Mata Machado; Radialista Waldir Amaral.

Últimas de Rio De Janeiro