Ponte Rio-Niterói reabre após quase duas horas

Manifestantes ameaçaram invadir via. Barcas interrompeu serviços por conta de invasão

Por O Dia

Rio - A Polícia Rodoviária Federal reabriu por volta das 21h05 desta quarta-feira a Ponte Rio-Niterói em ambos os sentidos, após quase duas horas de interdição devido à manifestação contra o aumento da passagem de ônibus e outras questões sociais no município de Niterói. Os ativistas ameaçaram invadir a via diversas vezes e o Batalhão de Choque foi acionado.

Somente as saídas para Avenida Jansen de Melo e Avenida Feliciano Sodré, no sentido Niterói, continuam interditadas. A CCR Barcas informou que parte do grupo invadiu a Estação Praça Arariboia. O Choque foi acionado e houve tumulto e correria no local. 

Catracas de estação das Barcas foram bloqueadas por segurançasLeitora Rebecca Mello

Por volta das 20h30, cerca de 80 pessoas permaneciam na saída da Estação. De acordo com a PM, ninguém foi detido. Ainda não há informações sobre o número de feridos. 

Por medida de segurança, a concessionária interrompeu, momentaneamente, a operação na linha Rio-Niterói. O serviço foi interrompido às 20h45 e retomado às 21h05.

Seguranças impediram acesso às BarcasLeitora Rebecca Mello


A jornalista Rebecca Mello, 24 anos, saiu 20h40 do Rio e relatou que a embarcação parou cinco minutos depois e ficou estática durante 20 minutos, sem qualquer aviso do comandante. "A barca atracou 40 minutos depois. Os policiais fizeram um cordão de isolamento no local", contou.

Tumulto em manifestação

A manifestação contra o aumento da tarifa de ônibus em Niterói se dispersou em tumulto e corre-corre. O clima ficou tenso na Avenida Marquês de Paraná, principal acesso à Ponte, onde parte do grupo tentou invadir a via e foi contido pelo Choque, que lançou balas de borracha e bombas de efeito moral.

O Grupamento Aeromarítimo fez buscas na região. Outro pequeno grupo tentou virar um ônibus sem passageiros e o veículo colidiu com um carro. Parte deles voltou para as Avenidas Rio Branco e Amaral Peixoto, onde atearam fogo em uma barricada com lixo e detritos.

Um grupo, se dizendo apartidário, não queria que militantes do PSTU empunhassem bandeiras da legenda. Eles chegaram a se enfrentar, mas depois os ânimos se acalmaram, quando as bandeiras foram deixadas de lado.

Pessoas sem militância partidária, como a dona de casa Carmem Lúcia do Carmo, 58 anos, eram maioria: “O prefeito Rodrigo Neves, na campanha, disse que não mexeria na tarifa e aumentou o valor cinco meses depois.”

A grande maioria dos manifestantes permaneceu em frente à Câmara Municipal, onde não houve registro de tumulto com a polícia.

Manifestantes vibraram com anúncio de redução de tarifa em NiteróiAlexandre Brum / Agência O Dia

Devido ao clima tenso, a PRF fechou os acessos à Ponte por volta das 19h10. Na Perimetral, os veículos foram desviados para a Avenida Brasil, bem como na rampa de acesso à Ponte pela rodoviária, próximo ao Caju, na alça de acesso da Linha Vermelha à Ponte Rio Niterói e pela Avenida Brasil.

A cerca de 450m antes do pedágio ficou o último retorno, liberado aos poucos, em sistema Pare e Siga.

No sentido Rio, A BR-101 (Niterói-Manilha) ficou fechada na altura do Km 317 (Ilha das Flores – quartel dos Fuzileiros Navais), ponto em que é possível fazer o retorno; o acesso do viaduto do Barreto à BR 101 (altura Avenida do Contorno), onde o viaduto é usado como retorno em sentido invertido.

A partir deste ponto, os motoristas seguiram no sentido Niterói por um retorno à direita, que ficou fechado no sentido Rio, mas aberto no sentido Barreto.

Niterói anuncia redução de tarifa de ônibus

O prefeito de Niterói, Rodrigo Neves, também revogou o aumento do preço da passagem do transporte coletivo, nesta quarta-feira, baixando a tarifa de R$ 2,95 para R$ 2,75, a exemplo do prefeito Eduardo Paes, no Rio. A decisão ocorre quando milhares de manifestantes estiveram nas ruas protestando por melhores condições de transporte, entre outras demandas, nas principais vias da cidade. A decisão foi recebida com grande entusiasmo.

Mais de 10 mil pessoas participam da manifestação contra o aumento da passagem no transporte coletivo, em Niterói, nesta quarta-feira, segundo a Nittrans. Os manifestantes tomaram a Praça Araribóia, onde aconteceu a concentração, e marcharam em direção à Avenida Amaral Peixoto.

Ativistas se reuniram nas principais vias de NiteróiLeitor Renan Barreto

No segundo protesto, os participantes reivindicam a libertação de duas pessoas que foram presas no ato no Centro do Rio, na última segunda-feira, ambos estudantes da Universidade Federal Fluminense (UFF).

O trânsito ficou complicado. As vias do entorno, como as Avenidas Visconde do Uruguai, Visconde do Itaboraí, Barão do Amazonas e as ruas Alcides Figueiredo, Monte Líbano, Áurea Lima e Francisco Cruz, que estão interditadas na altura da Avenida Rio Branco, seguem com fluxo intenso. O objetivo dos manifestantes foi chegar na Câmara dos Vereadores, e em seguida, partir para o acesso à Ponte Rio-Niterói. Para o evento, o efetivo que acompanhou o protesto é de 350 homens da Polícia Militar e 50 da Guarda Municipal, espalhados na prefeitura, Câmara Municipal e na estação das Barcas.

A prefeitura de Niterói designou uma comissão especial, coordenada pela Secretária Executiva da Prefeitura, Maria Célia Vasconcellos, desde a última sexta feira, para receber representantes da manifestação, desta quarta, sobre o sistema de transportes na cidade.

Últimas de Rio De Janeiro