Por marcello.victor

Rio - Cerca de 50 jovens da Zona Sul do Rio deram prosseguimento a uma vigília, na madrugada deste sábado, na Avenida Delfim Moreira, na esquina com a Rua Aristídes Espíndola, no Leblon, Zona Sul da cidade, próximo ao prédio onde mora o governador do Rio, Sérgio Cabral.

Eles prometem dar continuidade a onda de protestos que assolaram o país nas úlitmas semanas, até que o mandatário do estado apareça em casa. A expectativa do grupo é que duas mil pessoas engrossem o ato no decorrer da manhã.

Manifestantes fazem vigília na porta do prédio do governador Sérgio CabralOsvaldo Praddo / Agência O Dia

Nenhum incidente foi registrado durante a madrugada. 'Armados' de uma barraca e colchonetes, o grupo passou a noite sentado e conversando na pista sentido São Conrado. Muitos conseguiram levar de suas casas água e mantimentos para dividir com os manifestantes. O trecho da via entre a Avenida Visconde de Albuquerque e a Rua Rainha Guilhermina também está interditado ao trânsito. Eles juram que não vão sair do local até ver o governador.

"A nossa reivindicação é que o Cabral apareça. Ele tem que parar de fugir do povo. Esperamos que pela manhã, com o movimento de banhistas e esportistas na praia, o movimento ganhe força e engrosse o número de participantes", disse um dos manifestantes que participa da vigília.

Rua foi fechada por policiaisOsvaldo Praddo / Agência O Dia

O trecho da Rua Aristídes Espíndola, entre a Rua General San Martin e a Avenida Delfim Moreira, foi interditado pela polícia. Grades de ferro foram colocadas nos dois pontos da rua e o trecho da rua está interditado ao trânsito. PMs reforçam o policiamento. O Batalhão de Choque, que chegou a ir para o local no início do protesto, já deixou a região.

A vígilia que começou na noite de sexta-feira foi precedida de uma concentração na Praça General Osório, em Ipanema. Os manifestantes seguiram em passeata em direção ao Leblon. Com palavras de ordem, vaias e pedidos de renúncia de Sérgio Cabral, cerca de 500 pessoas se aglomeraram próximo ao edifício do governador.

Você pode gostar