Por thiago.antunes

Rio - A Polícia Civil enviou nesta terça-feira à Polícia Militar mais 1.500 bombas de gás lacrimogêneo. Como a coluna ‘Justiça e Cidadania’ publicou nesta terça, as duas polícias estavam em rota de colisão por causa de material não letal. Isso porque, diante das manifestações, o estoque do Batalhão de Choque ficou baixo.
E

m 30 de janeiro, a Secretaria Extraordinária de Segurança para Grandes Eventos, do Ministério da Justiça, enviou à Coordenadoria de Recursos Especiais (Core), da Polícia Civil, 6.801 cápsulas de spray de pimenta e 3.900 bombas de gás lacrimogêneo, além de pistolas elétricas, cartuchos e máscaras.

Em nota oficial, a Secretaria de Segurança informou nesta terça que, na última sexta-feira, o comandante do Batalhão de Choque, tenente-coronel Fábio Almeida de Souza, solicitou ao subchefe operacional da Chefia de Polícia Civil, delegado Fernando Veloso, material não letal para uso em manifestações.

No fim de semana, o armamento foi catalogado e começou a ser enviado à PM na segunda-feira. A secretaria esclareceu ainda que a Core usa armas não letais para o treinamento de agentes.

Você pode gostar