Por thiago.antunes

Rio - Pressionada pelas manifestações nas ruas, a Alerj vai acelerar a votação das propostas relacionadas às exigências feitas nas últimas semanas e que, há muito tempo, já se encontram em tramitação.

Entre elas estão a entrega de declaração de bens de pessoas que ocupam cargos de poder no Estado e a alteração da Lei do Bilhete Único que, caso aprovada, promoverá redução da margem de lucro das empresas de ônibus.

Durante a reunião do Colégio de Líderes dos partidos, ficou decidido que todas as legendas enviarão os projetos à presidência da Casa até sexta.

Velocidade

Essa agilidade não ocorre por acaso: muitos parlamentares ficaram assustados com a tentativa de invasão do Palácio Tiradentes, ocorrida no dia 17 de junho. A aceleração seria uma forma de demonstrar ao público que a Alerj está atenta aos acontecimentos.

Primeira sessão

A meta é fazer com que, na primeira sessão após o recesso, no dia 1 de agosto, a presidência apresente as propostas enviadas e as submeta à votação. “A pressão das ruas funcionou”, avaliou o deputado Marcelo Freixo (Psol).

Você pode gostar