Índices de criminalidade crescem e assustam Niterói

Aumento de roubo a transeuntes, em maior escala no Centro, é de 42,7%

Por O Dia

Rio - As estatísticas do Instituto de Segurança (ISP) referentes a maio, publicadas na sexta-feira, traduziram em números o que o morador de Niterói já sente na pele. Roubos em comércio, de veículos, a transeuntes e em coletivos aumentaram na cidade, em comparação ao mesmo mês de 2012.

“Tenho 50 funcionários e praticamente todos eles foram roubados durante o dia. Os bandidos chegam armados e levam celulares e dinheiro”, relata Miriam Rodrigues, presidente da Associação de Pais e Amigos dos Deficientes de Audição (Apada), com sede na Rua Andrade Neves.

O aumento de roubo a transeuntes foi de 42,7% em Niterói. Na região do Centro, a mais problemática neste tipo de delito, foram 72 casos em maio. Outros índices, no entanto, chamam ainda mais atenção, como o de roubo a comércio: aumento de 250%.

“Ouço relatos de ataques a senhoras e os fregueses comentam o crescimento dos roubos depois que colocaram UPPs no Rio. Todo mundo sentiu a violência aumentar em Niterói”, avalia Eduardo Perez, 32, dono de uma floricultura em Icaraí.

Maria da Conceição Gomes, 55, proprietária de banca de jornal na Rua Mariz e Barros, diz que deu sorte e ainda não foi assaltada. “Mas todas as manhãs as pessoas têm relatos de roubos nas redondezas nos últimos meses. Ficamos assustados”, explica.

No Fonseca, o perigo nos ônibus

O bairro do Fonseca, na Zona Norte de Niterói, é o campeão de roubos em coletivos (17 casos em maio) e de veículos (35 registros). Em toda a cidade, os crimes subiram 24,5% e alarmantes 127,5%, respectivamente.

“Moro em São Gonçalo e circulo por lá e por Niterói para trabalhar. Já fui assaltado várias vezes, mas nos últimos tempos, muitos conhecidos e parentes entraram nessa estatística. É preciso melhorar o policiamento”, queixa-se o eletromecânico André Pires Silva, 45.

A PM informa que o policiamento está reforçado desde junho, com 200 recém-formados, fora um efetivo de cerca de 380 policiais.

Últimas de Rio De Janeiro