Comando da PM reconhece excessos e afasta oficial do Choque

Ordem na corporação é para usar menos gás em protestos. Cabral enfrentou manifestação em Volta Redonda

Por O Dia

Rio - O comandante da PM, coronel Erir Ribeiro, reconheceu alguns excessos e afastou um oficial do Batalhão de Choque. Ele ainda determinou à Corregedoria da PM que cheque as escalas de plantão dos dias em que houve confronto nos protestos e identifique os policiais que se excederam.

Erir também determinou que os policiais utilizem menos gás lacrimogêneo em manifestações. A ordem vem um dia depois de o secretário estadual de Assistência Social e Direitos Humanos, Zaqueu Teixeira, anunciar que está de olho nos excessos cometidos por militares, principalmente nos últimos protestos. Zaqueu se reuniu nesta terça-feira com a cúpula da Polícia Militar para discutir o caso.

Ordem na PM é para usar menos gás em manifestaçõesJoão Laet / Agência O Dia

Protestos contra Cabral

O governador Sérgio Cabral voltou a enfrentar protestos nesta terça-feira, desta vez no Sul do estado. Durante lançamento dos programas Renda Melhor e Renda Melhor Jovem para 4.061 famílias, na Ilha São João, em Volta Redonda, ele passou momentos de constrangimento, ao lado do vice-governador Luiz Fernando Pezão.

Enquanto discursava, um grupo de 25 estudantes com esparadrapos na boca exibiu cartazes com dizeres como “Fora Cabral” e “O estado passa, fica a dor”.

“Isso é ação da oposição, que está querendo antecipar o calendário eleitoral. Não tem nada a ver com manifestações genuínas, que pedem mudanças sociais. Sei que, onde for, vou enfrentar oposição local”, afirmou Cabral. Segundo ele, os articuladores do protesto seriam Anthony Garotinho (PR) e o deputado estadual Marcelo Freixo (Psol).

Em seu blog, Garotinho respondeu com ironia: “Cabral não quer enfrentar a dura realidade: que o povo quer é se ver livre dele, até seus vizinhos no Leblon”. Freixo disse que não pretende concorrer ao cargo e que “o governador dá muito motivo para que a população vá às ruas”.

Os programas, vinculados ao Bolsa Família, são para a erradicação da pobreza extrema de 4.061 famílias, com renda de até R$ 100 por mês. Serão destinados entre R$ 30 e R$ 300 a cada beneficiado, num total de R$ 247 milhões.

Últimas de Rio De Janeiro