Por thiago.antunes

Rio - O clima é tenso no protesto que junta mais de mil pessoas na rua Aristides Espínola, onde mora o governador Sérgio Cabral, no Leblon, Zona Sul do Rio, na noite desta quarta-feira. Um princípio de tumulto ocorreu quando uma emissora de TV foi expulsa pelos manifestantes. Outro momento de apreensão ocorreu quando um homem que parecia drogado ou alcoolizado tentou derrubar a grade da via, fechada desde 17h30 por policiais militares. 

O rapaz foi retirado do local pelos próprios ativistas, sob acusação de ser agente do serviço reservado da PM (P2) e miliciano. Mais cedo, manifestantes queimaram um boneco representando Cabral, junto a uma placa de trânsito. Em seguida, índios da Aldeia Maracanã fizeram uma pajelança no trecho. Questionado sobre a maré de azar do governador, o cacique Uratau Guajajara disse que "Cabral mexeu com ancestrais e índios de todo o brasil ao fechar o Museu do índio. O prédio é simbólico para todos nós", afirmou.

Alguns presentes tentaram contornas as ruas adjacentes no local, como a Rainah Guilhermina, mas policiais do Batalhão de Choque (BPChq) barraram a passagem deles nas esquinas. Algumas placas de sinalização foram arrancadas, pixadas com símbolo do anarquismo e exibidas como troféu. Além da presença de mais de 200 PMs, há um caminhão de jato d'água e um caveirão do Choque no local.

A Prefeitura chegou a tentar desbloquear o sentido Centro da Avenida Delfim Moreira, mas parte do protesto bloqueou novamente a via quando percebeu a manobra. Motoristas tiveram que voltar de ré, o que deu mais um nó no trânsito. Até o momento, não há registro de confusão no ato.

Moradores só entram a pé

Moradores da Rua Aristides Espínola só entram a pé na via e estão sendo escoltados até suas residências por policiais.

Os manifestantes fecharam a Avenida Delfim Moreira e exibem cartazes, faixas e gritam palavras de ordem. Uma fogueira foi acesa entre as esquinas da Aristides Espínola e da Delfim Moreira.

Motoristas que trafegam no trecho, estão sendo desviados para a Rua Rainha Guilhermina. Quem segue em direção à Avenida Niemeyer deve optar pelas Avenidas General San Martin e Visconde de Albuquerque.

A Avenida Delfim Moreira está totalmente interditada entre a Avenida Bartolomeu Mitre e Avenida Niemeyer. O tráfego é desviado pela Avenida Visconde de Albuquerque.

Você pode gostar