Por thiago.antunes

Rio - Apesar de todo o desgaste sofrido por Sérgio Cabral nas últimas semanas, aliados do governador acham que é muito cedo para projetar um fracasso do PMDB-RJ nas eleições de 2014. Para eles, o importante é deixar a poeira baixar e acompanhar a evolução das pesquisas — por enquanto, não se fala em substituir a pré-candidatura de Pezão ao Palácio Guanabara.

Peemedebistas apostam na dificuldade que Garotinho e Cesar Maia teriam para vencer uma eleição em dois turnos. Torcem também para que Lindbergh Farias não consiga ser candidato.

Problemas

Aliados ressaltam os pontos positivos do governo estadual, mas admitem que algumas derrapadas de Cabral — como excesso no uso de helicópteros — podem repercutir na eleição. Acham também que falta ao governador a humildade de admitir erros.

Santas obras

O petista Lindbergh Farias vai morrer de inveja. Dilma Rousseff encheu a bola de Pezão ao apresentá-lo ao Papa Francisco. Disse que o vice-governador do Rio era responsável por fazer obras que beneficiavam os pobres.

Você pode gostar