Por tamyres.matos

Rio - É apenas questão de sorte. Você pode estender o braço para um táxi, acabar no carro de Jorge Achilles de Almeida, 61, e ter uma viagem totalmente incomum. Para começar, o banco do carona tem um equipamento de shiatsu acoplado, com massagens deliciosas de 15 minutos.

À disposição do freguês, doces, balas, água, refrigerante, capa de chuva, lixa de unha, lanterna, carregador de equipamentos eletrônicos, TV, revistas, CDs de todos os ritmos musicais, remédios, lenços. Tudo de graça, num ambiente climatizado, com cheirinho de sabonete. Para as crianças, brinquedos de vários tipos. Um verdadeiro táxi-spa.

“As pessoas até estranham, ficam desconfiadas. Não querem beber nem comer nada, achando que botei drogas, sei lá. Não estão acostumadas a ser bem tratadas”, se diverte Jorge. Ele é economista e trabalhou 28 anos numa empresa até ser demitido, em 2008. Foi quando teve a ideia do táxi-relax, após meses de pesquisa com os clientes para conhecer desejos e preferências. “Poderia fazer mil coisas, mas qualquer uma faria com o mesmo empenho”, garante.

Jorge Archilles%2C o taxista que oferece serviço vipJoão Laet / Agência O Dia

O preço da corrida é o mesmo, no taxímetro normal. Mas o atendimento é único: “Sempre pergunto no final em que os passageiros acham que posso melhorar, que outros produtos posso oferecer. Quero tornar a viagem o mais agradável possível”.

Graças aos serviços prestados, os dois telefones de Jorge não param de tocar pedindo corridas. Além de ganhar boas gorjetas, ele leva para casa santinhos e até fotos entregues por passageiros. “É carinho, elogio. São coisas baratas que ofereço, custam centavos, R$ 1, o retorno é bem maior. O gasto mesmo é com cartão de visita”, comemora.

O taxista costuma trabalhar de 5 a 7 horas por dia, até quando começa a ficar cansado ou estressado, para não “correr o risco de atender mal”. Roda o Rio todo e garante não ter preconceitos. Já foi assaltado duas vezes, a mão armada, mas não se intimida. “Entrou aqui será tratado igual”. Por trabalhar poucas horas, o dinheiro não é muito. Mas pretende se aposentar pelo INSS para melhorar a situação. “Sou a exceção que devia ser regra. É uma pena. Adoraria se me copiassem porque, como usuário, também seria bem atendido”, ensina.

1 - QUANTOS TÁXIS EXISTEM HOJE NO RIO?
Segundo o secretário municipal de Transportes, Carlos Roberto Osório, há 33 mil táxis na cidade e 2 mil deles são de empresas.

2 - QUAL A PROPORÇÃO POR HABITANTE?
Atualmente, a cidade tem um táxi para cada 190 habitantes. Em São Paulo, por exemplo, a proporção é de um por 280.

3 - O RIO ESTÁ EM QUE POSIÇÃO NO PAÍS EM TERMOS DE OFERTA?
Em primeiro lugar na relação táxi/pessoas entre as 11 maiores cidades do Brasil. É a segunda maior do país.

4 - COMO FUNCIONA ESSA ‘CADEIRA’ DE SHIATSU?
Como se fosse uma capa, é colocada no banco e faz massagens nas costas com bolas que sobem e descem.

5 - QUAL O BENEFÍCIO DESSE TIPO DE TRATAMENTO?
Desfaz nódulos de tensão na coluna, relaxa e alivia dores musculares. O mecanismo é ativado por controle remoto.

Você pode gostar