Policiais federais fazem passeata no Centro

Agentes fazem paralisação de 24 horas

Por O Dia

Rio - Policiais federais protestaram nesta segunda-feira contra a precariedade de serviços sociais e da saúde, o assédio moral dentro da corporação e o veto presidencial ao Projeto de Lei (PL) 244, que reconhece o papiloscopista como perito.

A manifestação começou na Praça Mauá, em frente à sede da Polícia Federal (PF), e seguiu até a Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj), onde os policiais acompanharam audiência pública para discussão de melhorias na estrutura da PF. A passeata e a audiência fazem parte da paralisação de 24 horas iniciada pelos policiais federais na madrugada desta segunda-feira.

Manifestantes fazem ato no CentroReprodução Internet

Cerca de 200 agentes carregavam faixas e vestiam blusas pretas com suas reivindicações escritas com tinta amarela. Um elefante branco inflável, representando a campanha contra a burocracia no sistema de investigação policial, era conduzido por um carro. En frente à Alerj, os manifestantes soltaram aproximadamente 200 balões em preto e amarelo, cores da PF. Duas viaturas da Polícia Militar e uma da Guarda Municipal acompanharam a passeata.

Para a presidenta do Sindicato dos Servidores do Departamento de Polícia Federal no Estado do Rio de Janeiro, Valéria Manhães, o modelo brasileiro de investigação, que é de 1940, precisa ser renovado, porque não atende à modernidade. "O crime se modernizou, mas a investigação continua a mesma. Pouco é alcançado. Somente 10% dos inquéritos policiais são elucidados."

De acordo com Valéria, até o momento, 60% dos policiais federais aderiram à paralisação. Ela disse que a população pode ficar tranqüila. pois os serviços essenciais estão mantidos. "Os serviços mínimos estão mantidos. Este é o início de paralisações [da categoria] no Brasil inteiro.”

Protesto busca modelo mais eficiente de investigação

Valéria explicou que a paralisação faz parte de um calendário nacional, que está sendo seguido. "Primeiro, houve manifestações aqui [no Rio] e haverá paralisações em vários estados. Precisamos também mostrar para a sociedade civil a forma de investigação criminal usada no Brasil, que não atende mais aos anseios, à modernidade.”

O vice-presidente da Federação Nacional dos Policiais Federais, Luiz Antonio de Araújo Boudens, disse que a manifestação busca um modelo mais eficiente de investigação. “O elefante branco simboliza essa burocracia. Todas as investigações hoje começam no papel, no meio delas, tem papel e, no final delas, tem papel. Então, é totalmente cartorializada. O objetivo desta manifestação é discutir um modelo mais eficiente para que as investigações caminhem diretamente para o Ministério Público e este faça a denúncia.”

Agentes, escrivães e papiloscopistas entraram em greve em agosto do ano passado. Em setembro, em ato nacional, os policiais federais pediram a reestruturação da carreira de nível superior. Em outubro, após 70 dias de greve, os policiais, mesmo sem acordo com o Ministério da Justiça, suspenderam a greve.

Até o fechamento desta matéria, o Ministério da Justiça não tinha se posicionou sobre a paralisação dos policiais federais.

Últimas de Rio De Janeiro