Por nara.boechat

Rio - Inaugurada há 15 anos como parte da solução para os constantes congestionamentos na Via Dutra e nas cidades da Baixada Fluminense, a Via Light até hoje não foi concluída e o trânsito, consequentemente, só faz piorar. A Firjan (Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro), após concluir um estudo sobre a região, defende a urgência da conclusão da obras.

A Via Light recebe 13 mil veículos por dia, embora tenha sido projetada para 50 mil. Ela foi construída para integrar Nova Iguaçu, Mesquita, Nilópolis, São João de Meriti e Rio, mas o projeto original contempla dois trechos ainda não construídos. O primeiro, de 3,2 km, faz a conexão da Pavuna com a Av. Brasil. O segundo, de 3 km, liga a Av. Brasil à Madureira. As duas intervenções, que têm verba e licenças ambientais aprovadas, representariam menos 37 mil carros e caminhões por dia na Dutra, quase 25% do seu volume atual. A Firjan calcula que o custo anual dos congestionamentos na Dutra, apenas na Baixada, ultrapassa R$ 1,1 bilhão.

“É uma obra que pode ser iniciada rapidamente e que teria um impacto gigantesco em toda a região. Moradores e empresários não aguentam mais tanta perda com os congestionamentos”, explica Cristiano Prado, gerente de infraestrutura da Firjan.

Você pode gostar