Por bferreira

Rio - A Delegacia de Homicídios (DH) espera obter hoje pistas sobre a chacina de quatro pessoas da mesma família na manhã de sábado, em Santa Cruz. Serão analisadas imagens de câmeras instaladas ao redor da Estação Vendas de Varandas do BRT (corredor expresso de ônibus) próximo à comunidade Cesarão, onde os corpos foram encontrados dentro de um Monza crivado com pelo menos 200 tiros.

A delegada Renata Araújo disse que vai ouvir mais parentes e testemunhas esta semana para chegar a uma linha de investigação sobre a motivação das mortes.

Três vítimas — Eduardo José dos Santos, de 46 anos, Geovani Domingos dos Santos, 43, e Erik Douglas de Oliveira, 20 — foram enterradas ontem na região. Até o final da tarde, o corpo de Diovani dos Santos, 20, ainda não tinha sido liberado no Instituto Médico—Legal. Eduardo, Geovani e Diovani eram irmãos. Erik era filho de um deles. Os quatro seriam pintores de paredes e não tinham antecedentes criminais.

Homicídios são constantes

Parentes das vítimas não quiseram dar entrevistas. A chacina aconteceu numa região em que favelas são dominadas por traficantes rivais, e outras, por milicianos. Há seis dias, três corpos foram encontrados carbonizados na Estrada Santa Veridiana. De janeiro a junho deste ano, 106 pessoas foram mortas na área do 27º BPM (Santa Cruz), 37% a mais que 2012.

Você pode gostar