Por cadu.bruno

Rio - O instrutor de voo livre Luiz Gonzaga Pereira de Souza, de 57 anos, que viveu momentos de tensão durante um voo duplo feito de parapente da Pedra Bonita, na Zona Sul do Rio, foi suspenso temporiamente do Clube São Conrado de Voo Livre, terá a licença reavaliada e vai passar por curso de reciclagem.

"Fui surpreendido porque a nuvem veio de baixo e fez tapete de nuvem. O teto era de 600 metros, entao virei um sanduiche, entubado dentro da nuvem. Quando rezei já tinha esgotado as possibilidades como piloto. Era o ser humano Luiz Gonzaga. Tinha a responsabilidade de um ser humano comigo", disse, ao RJTV.

Augusto Prates, vice-presidente do Clube São Conrado de Voo Livre, disse que houve excesso de confiança por parte do instrutor. “Ele estava tão senhor da situação que ele deixou procedimentos básicos de segurança", afirmou.

Um vídeo gravado pelo próprio turista, identificado como Sudmar Franzin, mostra o desespero do instrutor ao ver que estavam no meio das nuvens. Em um momento, o profissional começa a rezar. As imagens foram feitas no dia 17 de agosto e postadas na Internet.

As condições do vento eram consideradas boas. Mas a orientação era para que os instrutores voassem direto para a praia, onde o céu estava mais limpo. Como o instrutor não obedeceu, os dois foram para dentro das nuvens e começaram a dar voltas em trono da pedra. O profissional chega a pedir para o turista desligar a câmera.

“Fica calmo, pelo amor de Deus. Eu não sei onde a gente está, não, velho. Mostra para mim o caminho, meu Deus”, dizia o instrutor, que perguntou se ele sabia a nadar e depois começou a rezar. O instrutor é considerado experiente. Ele foi suspenso temporariamente e terá a licença de voo reavaliada.

Você pode gostar