Por tamyres.matos

Rio - Cinco policiais da Unidade de Polícia Pacificadora da Rocinha são investigados por tortura e abuso de autoridade contra moradores da favela. Entre eles estão o comandante da UPP, major Edson Santos, e os soldados Rodrigo de Macedo Avelar da Silva e Douglas Roberto Vital Machado, também investigados pelo desaparecimento, há 47 dias, do pedreiro Amarildo de Souza. Os outros PMs acusados de tortura e abuso são Luciano Silva de Carvalho e Vitor Luiz Evangelista. O Ministério Público pede a suspensão do porte e o recolhimento das armas e dos distintivos dos envolvidos e a expulsão da PM do grupo, investigado ainda por improbidade administrativa.

As denúncias foram feitas à 15ª Promotoria de Investigação Penal da 1ª Central de Inquéritos. Mas o cerco aos militares não param por aí. O Ministério Público, junto à Promotoria de Justiça de Tutela Coletiva de Defesa da Cidadania, analisa uma proposta de ação civil pública contra os cinco PMs. A proposta foi feita após oito moradores da Rocinha prestarem depoimento quarta-feira e confirmarem denúncias que já haviam sido feitas ao MP por outros moradores através da Ouvidoria e em outros procedimentos instaurados pela polícia sobre a conduta dos PMs.

Na quarta-feira, a PM já havia informado que o major Edson Santos deixaria o comando da UPP Rocinha

Você pode gostar