Por tamyres.matos

Rio - Cerca de 100 manifestantes carregaram faixas e bandeiras nos arredores do Fórum Central do Tribunal de Justiça do Rio, localizado na Avenida Erasmo Braga, 115, Centro do Rio, na tarde desta sexta-feira. Os ativistas, quase todos sem máscaras, gritam palavras de ordem e pedem liberdade para os três administradores da página no Facebook "Black Bloc RJ".

Um grupo de manifestantes tentou segurar as portas automáticas do fórum, que foram fechadas pelos seguranças do TJ. Uma das portas apresentou defeito e ficou entreaberta. Os ativistas chutaram e atiraram ovos e pedras contra a entrada do prédio. Há confronto entre policiais e manifestantes, que trocam socos e chutes. Houve tentativa de fechar o trânsito na Rua Primeiro de Março, mas o tráfego está liberado. Após o tumulto em frente ao TJ, eles seguram para a Avenida Rio Branco.

Manifestantes tentaram invadir o prédio do TJAlexandre Brum / Agência O Dia


A pedido da Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática (DRCI), as prisões em flagrante dos moderadores da página da rede social foram convertidas em preventiva, na tarde desta sexta pela 27ª Vara Criminal de Justiça. Os três foram presos na quarta-feira e indiciados pelos crimes de formação de quadrilha armada e incitação à violência. Os policiais da DRCI irão cumprir os mandados nesta sexta-feira no presídio de Água Santa.

Incitação à violência na manifestação de Sete de Setembro

O grupo Black Bloc estava se armando para os programados protestos do próximo sábado, dia 7 de setembro. Esta foi a conclusão da investigação conduzida pela Delegacia de Repressão a Crimes de Informática (DRCI), além de prender três jovens, os PMs apreenderam dois adolescentes. Uma faca e um artefato de ferro com várias pontas foram motivos para enquadrar o grupo em flagrante por formação de quadrilha armada, crime inafiançável. Eles também vão responder por incitação à violência e ao vandalismo.

“No site do grupo havia uma convocação para que outros integrantes fabricassem esse material perfurante, conhecido como ouriço ou jacaré, e que é usado para furar pneus. Ocorre que se isso for atirado, e atingir alguém, vai causar ferimento e pode até matar. O que eles fazem desqualifica as manifestações”, explicou a chefe de Polícia, delegada Martha Rocha.

Daniel Guimarães Ferreira, de 21 anos, foi preso em casa, no Cachambi, junto com o irmão adolescente. Ele confessou participar das manifestações, disse que estuda para fazer prova para o Exército e se vangloriou de conhecer armas, saber montar e desmontar pistolas.

Ele e os outros três maiores foram levados para o Presídio de Água Santa. Os menores foram encaminhados à Delegacia de Proteção à Criança e o Adolescente. Outro detido, identificado apenas como Yan, preso em Maricá, foi indiciado ainda por pedofilia, pois a polícia encontrou filmes de sexo com crianças em seus arquivos digitais. A polícia recolheu máscaras usadas nos protestos e de gás e uma pequena quantidade de maconha. Celulares e computadores apreendidos servirão para tentar identificar outros 50 integrantes do grupo.

Em outra incursão, a DRCI tentou encontrar uma jovem, que faria parte do grupo, mas ela está de férias na Bolívia, segundo informaram parentes. Ela seria namorada de um dos detidos.

Você pode gostar