Por thiago.antunes

Rio - A manifestação que reúne cerca de 300 pessoas na Rua Pinheiro Machado, com a Rua das Laranjeiras, na tarde desta sábado, já registrou a primeira confusão entre policiais militares e o grupo Black Bloc, que consegiu romper parte do cordão de isolamento da PM para que os ativistas não cheguem no Palácio Guanabara. Quando alguns manifestantes furaram  o bloqueio, os policiais do Batalhão de Choque (BPChq) reagiram com truculência e atiraram bombas de gás lacrimogênio e balas de borracha a esmo.

Uma das bombas caiu na sede da Sociedade Viva Cazuza, que abriga crianças portadoras de HIV. Indignado, um segurança do estabelecimento informou que mutas delas passaram mal após inalar o gás. Após o episódio, as portas da ONG foram fechadas. 

Os pedestres que estavam nas proximidades também reclamaram da truculência da PM. Houve tumulto e correria. Algumas agências bancárias foram depredadas na Rua Pinheiro Machado e os ativistas recuaram. Até o momento, não há registro de feridos ou prisões.

No Largo do Machado, o cenário ficou irreconhecível. Os orelhões e pontos de ônibus no local foram depredados pelos Black Blocs, bem como o acesso de cadeirantes para a estação do metrô, que ficou fechada por 15 minutos. Segundo médicos voluntários que acompanharam o ato, eles foram impedidos de entrar na estação para atender pessoas que passaram mal. Após 7 minutos, as vítimas foram levadas até a entrada. Há muitos focos de incêndio e lixeiras queimadas na praça.

Pedestres que estiveram no local hostilizaram membros do grupo anarquista, que se dispersou pelas ruas do bairro.

Você pode gostar