Por cadu.bruno

Rio - A Delegacia de Homicídios de Niterói e São Gonçalo tenta encontrar um homem que tem utilizado o RioCard de Manuella Neves da Bouri, sobrinha do estilista Beto Neves, dono da marca Complexo B. A jovem de 22 anos, sua mãe, Linete Loback Neves, e o noivo de Manuella, Rafany Pinheiros, foram encontrados mortos no último dia 27 de agosto, na residência onde moravam em São Gonçalo.

Civil divulgou imagem do interior de um dos ônibus usados com RioCard de ManuellaReprodução Vídeo

Segundo a polícia, o rapaz não é considerado suspeito, mas deve prestar depoimento para esclarecer o motivo de estar utilizando o passe de ônibus da jovem. Imagens do homem foram disponibilizadas nesta terça-feira pela Polícia Civil.

Na última segunda-feira (2), o advogado Michel Salim, ex-padrasto de Manuella, prestou depoimento à polícia. Ele possui 55 passagens pela polícia, mas nem sempre como acusado. Em alguns registros ele aparece como testemunha ou como o autor. A maioria dessas ocorrências foi feita por conta da guarda das duas crianças, irmãs de Manuella, uma de 10 e outra de 11 anos.

Estilista Beto Neves (à esquerda) e o pai de ManuellaCarlos Moraes / Agência O Dia

De acordo com o delegado Wellington Vieira, Michel Salim foi ouvido como uma testemunha que faz parte do ciclo familiar de Manuella. "Ele afirma que estava no trabalho às 9h da manhã, no momento do crime", disse.

A polícia já solicitou junto as operadoras de celular o registro pra ver se existe GPS nos três celulares que foram roubados e pediu as contas discriminadas dos aparelhos, para identificar quais chamadas foram feitas e para quais números que as mensagens foram enviadas.

As investigações entraram em uma nova fase, onde a polícia vai tentar descobrir se existia alguma coisa na vida pessoal dos envolvidos que motivasse uma possível vingança.

O pai da jovem, Fernando Boueri, disse que não vê motivos para o crime. "Ela era uma menina estudiosa, trabalhadora. Me tiraram tudo, acabaram com a minha família", lamentou. O pai da vítima preferiu não opinar a respeito do suposto envolvimento do ex-padrasto nos crimes.

Você pode gostar