Manifestantes jogam baratas no plenário durante CPI dos ônibus

'Se vocês não se comportarem, serão convidados a se retirar desta Casa', disse Brazão

Por O Dia

Rio - A audiência da CPI dos Ônibus realizada nesta quinta-feira, na Câmara dos Vereadores, transcorreu sem maiores tumultos, a não ser quando cinco manifestantes atiraram baratas de plástico no plenário e vaiaram os integrantes da comissão, sendo repreendidos pelo presidente Chiquinho Brazão (PMDB).

"Se vocês não se comportarem, serão convidados a se retirar desta Casa", disse Brazão, já com os seguranças da Câmara retirando os manifestantes de uma das galerias sem violência.

Uma manifestante, que chegou a cobrir o rosto com a camiseta, retrucou a reprimenda do vereador na mesma moeda, alertando para o caso de os vereadores esvaziarem ainda mais a CPI.

"É o contrário. Se vocês não se comportarem devidamente, nós é que vamos retirar vocês da nossa Casa", respondeu a manifestante.

O vereador Eliomar Coelho (PSOL) que pediu a abertura da CPI e se afastou da comissão após uma manobra da base governista que indicou membros contrários à instalação da mesma, protocolou um ofício para realizar uma diligência na secretaria municipal de Transportes a fim de obter informações acerca do processo licitatório de 2010.

Eliomar quer informações a respeito dos estudos que embasaram o edital de licitação, de processos administrativos dos consórcios, balanços financeiros e operacionais, entre outros.

"O que temos visto nas audiências da CPI é uma troca de gentileza entre os membros, totalmente deslegitimados pela população, e os depoentes. Os vereadores têm demonstrado uma total falta de conhecimento sobre o assunto. Não há nenhuma contestação sobre o que é respondido. Esperamos que esses documentos que estamos solicitando, através de uma prerrogativa do mandato de vereador que é a diligência, sejam todos disponibilizados", disse o vereador.

A ida do vereador à secretaria tem de ser marcada em até 15 dias, e todos os documentos solicitados pelo parlamentar deverão estar à disposição. Os vereadores Paulo Pinheiro e Renato Cinco, ambos do PSOL, também assinaram o pedido de diligência.

Últimas de Rio De Janeiro