‘Queima total’ no Império X: Eike quer vender aeronaves

Jatinho e helicóptero estariam na lista

Por O Dia

Rio - A frequência da rádio transmissora dos aeroportos usados por Eike Batista indica que o megaempresário está prestes a dar cabo de suas duas últimas aeronaves. Especula-se que o milionário vai vender o seu Gulfstream G550 — jato intercontinental — e o helicóptero Agusta Grand, para viagens curtas. Ele já contou com cinco equipamentos.

As já concluídas vendas de um Legacy 600, um jato Phenon 300 e um helicóptero Agusta não só revelaram a queda livre nos negócios de Eike, como também foram motivo de ‘tristeza’ de pilotos que lhe serviam. O empresário é considerado ótimo patrão por valorizar o quadro.

Gulfstream valeria R%24 130 milhões e tem grande autonomia de vooReprodução

Ao todo, eram 15 profissionais — sendo seis para o helicóptero e nove para os aviões —, cujos salários variavam em torno de R$ 40 mil. Atualmente, Eike conta com cinco pilotos para o Gulfstream e o helicóptero Agusta.

O preço do Gulfstream gira na casa dos 60 milhões de dólares. O jato intercontinental realiza viagens até os Estados Unidos e a Europa sem escala para reabastecimento.

Superiate vai virar sucata

Se o suporte aéreo de Eike está sendo desfeito, aqui embaixo a situação não está diferente. O Pink Fleet, superiate do milionário, foi levado para desmanche no estaleiro Cassinú, em São Gonçalo, como O DIA antecipara há um mês.

Com 54 metros de comprimento e capacidade para 400 passageiros, o Pink Fleet, de 1973, tinha custo mensal de R$ 300 mil. Eike teria tentado vender o iate, mas não conseguiu compradores. Só o pagamento do capitão era de no mínimo R$ 15 mil.

Últimas de Rio De Janeiro