'Não importa o que ela escreveu', diz irmão de jovem morta na Zona Oeste

Policiais investigam se assassinato de estudante de 18 anos está ligado a postagem no Facebook

Por O Dia

Rio - Dois irmãos de Cláudia Marinho de Lima, de 18 anos, prestaram depoimento na Divisão de Homicídios (DH) na tarde desta quarta-feira. Reinaldo Marinho e Cláudio Marinho responderam a perguntas na delegacia localizada na Barra da Tijuca, na Zona Oeste do Rio. O corpo da estudante foi encontrado com marcas de estrangulamento em um terreno baldio na Estrada do Itumirim, em Campo Grande, Zona Oeste do Rio, na tarde da última segunda-feira.

Vítima postava no Facebook com frequênciaReprodução Internet

"Nao importa o que ela escreveu (na Internet), é coisa da idade, normal. Ela tinha um sonho de ser veterinária. Agora vamos deixar na mão da polícia", afirmou Reinaldo.

Em seu perfil no Facebook, a vítima dizia que queria um namorado e, na semana passada, fez duas postagens com este intuito. "Quem aceita namorar comigo agora?”, perguntou a jovem em uma das publicações. Logo em seguida, ela escreveu: “Com essa chuvinha está bom pra dormir de conchinha, debaixo daquele cobertor”.

Ela foi vista pela última vez na igreja Assembleia de Deus, em Realengo, Zona Oeste, na noite de sexta-feira. Após a vítima não retornar para a casa, familiares da estudante registraram, no sábado, o desaparecimento na 35ª DP (Campo Grande). Agentes da DH investigam a hipótese da morte estar relacionada com a mensagem na rede social.

A Polícia Civil não confirmou se a DH vai quebrar o sigilo do Facebook da vítima para saber com quem ela tinha conversado, mas a perícia no local já foi realizada. “A família desconfia de alguém que se relacionava com a Cláudia no Facebook”, afirmou o irmão da vítima, Reinaldo Marinho, em entrevista à Rádio Globo.

Últimas de Rio De Janeiro