Após manifestação, tumulto é registrado na Cinelândia

Passeata dos professores acabou sem incidentes. Confusão teria começado quando PMs tentaram liberar via

Por O Dia

Rio - A manifestação dos professores pela educação terminou, por volta das 19h40, sem incidentes, a não ser um pequeno princípio de tumulto quando um homem que seria do serviço reservado da PM (P2) entrou no protesto e foi expulso pelos ativistas. No entanto, houve confusão entre PMs e cerca de 500 Black Blocs que ainda ocupavam a Praça da Cinelândia. Antes do confronto, o clima era tenso no local.

Quando os policiais vieram pela Avenida Rio Branco para liberar a via, lançaram bombas de efeito moral e gás de pimenta. Os ativistas revidaram com fogos de artifício e recuaram pelas vias que levam ao Aterro do Flamengo e Lapa. Orelhões foram incendiados, placas foram arracandas, pontos de ônibus destruídos e há, pelo menos, seis pontos de incêndio na Cinelândia. Pedras foram jogadas em direção aos PMs e nas janelas do Cine Odeon. 

Um microônibus da PM foi apedrejado e incendiado próximo à Rua do Passeio. Uma viatura também acabou em chamas. Por conta dos eventos da semana passada, quase não há lixeiras no local. Um tapume que protegia o Clube Miltar foi incendiado. 

Outras coberturas foram retiradas da Biblioteca Nacional e serviram como escudo. Foram interditadas as Avenidas Beira Mar e Presidente Wilson, na altura da Avenida Rio Branco

Carro da PM foi incendiadoFelipe Freire / Agência O Dia

Por volta das 20h40, bombeiros chegaram para apagar os focos de incêndio na região. Na esquina das Avenidas RIo Branco e Santa Luzia há fogo em diversos caixotes empilhados. Bares e restaurantes da Lapa já foram fechados por conta do confronto.

Pelo menos quatro pessoas foram detidas. Uma menina chegou a ser agredida pelos policiais. Um jovem de 22 anos estava com um furo no braço e disse ter sido baleado. Ele foi encaminhado para o Hospital Municipal Souza Aguiar.

Manifestantes entraram em confronto com a PMFelipe Freire / Agência O Dia

Várias lojas do comércio locais, como restaurantes e lanchonetes foram destruídas no caminho. Os manifestantes voltaram até a Cinelândia e PMs lançaram mais bombas de gás.

Últimas de Rio De Janeiro